A mãe da menina Yasmin dos Santos Uliano, de um ano e seis meses, iniciou uma campanha na internet para custear o tratamento da filha, diagnosticada com o genus varus bilateral, pernas tortas e arcadas para fora. A campanha ocorre por meio do site https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajudem-a-yasmin-yasmin-santos-uliano.

Daniela Mendes dos Santos, mãe da bebê, trabalha como atendente de padaria, no bairro Barranceira, em Laguna. Elas também residem nesta localidade. A mulher conta que não tem como arcar com os custos com consulta da filha. Geralmente, os valores das consultas com profissionais de ortopedia estão em R$ 370. “A Yasmin tem que ter acompanhamento com o ortopedista mensalmente, além disso há os exames que o médico pede. Se esperar pelo Sistema Único de Saúde (SUS) terei que aguardar para o próximo ano e toda mãe teme que a saúde de seu filho possa agravar”, observa.

A criança passará por mais uma avaliação médica no próximo dia 15. Ainda não se sabe se Yasmin precisará sofrer a interferência de uma cirurgia ou utilizar uma tala, para corrigir a má-formação nos membros inferiores. “Não é um tratamento rápido. Demanda tempo. Fiz a campanha porque os valores com esses cuidados são altos. Temos as despesas com aluguel, contas de energia elétrica, água e alimentação e medicações, quando necessário. Atualmente a pensão que a minha filha deveria receber está atrasada”, expõe.

No período em que não está com a mãe, a criança fica sob os cuidados da avó materna. A meta da vaquinha virtual é arrecadar um total de R$ 20 mil. Até a publicação da matéria, havia um montante de R$ 500.

Toda criança nasce com as chamadas pernas arqueadas – genu varo – e a medida que vão crescendo esta deformidade vai diminuindo. Quando a criança inicia a marcha de forma precoce ou apresenta uma obesidade, a deformidade pode se tornar um pouco mais acentuada. De forma natural e espontânea esta deformidade irá se corrigir nos próximos meses, se tornando normal por volta dos dois anos em média. A partir dos dois anos existe uma tendência da deformidade se inverter, e se tornar o chamado joelho em tesoura – genu valgo – que também ocorre de forma fisiológica, e também se corrigirá de forma natural e progressiva. O período de maior intensidade ocorre entre os dois anos e meio até os quatro anos, em média.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul