Neste ano, a ação nacional contra Influenza prioriza idosos e doentes crônicos. Professores das redes pública e privada também devem receber a dose.

Tubarão

A 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza em Santa Catarina começa na próxima segunda-feira e se estenderá até 26 de maio, sendo o dia 13 de maio o dia D de mobilização nacional, conforme o novo calendário anunciado pelo Ministério da Saúde (MS).

Durante os dias 17 a 21 de abril, é priorizada a imunização das pessoas com 60 anos ou mais e dos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais. A decisão de iniciar com esse público-alvo baseou-se por ser o grupo que mais houve internações e mortes em 2016. Esse público representou 72% das internações e 77% dos 108 óbitos notificados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por influenza no ano passado em Santa Catarina.

O diretor-presidente da fundação municipal de saúde, Daisson Trevisol, alerta que a qualquer sinal de sintomas da gripe, o paciente deve procurar uma unidade de saúde para receber o tratamento adequado. “É importante salientar que além da vacinação, que tem como objetivo reduzir as complicações e as internações decorrentes das infecções causadas pelo vírus, a população deve adotar medidas de prevenção para evitar a gripe”, reforça.

Medidas simples de higiene, como lavar as mãos e evitar locais com aglomeração de pessoas que facilitam a transmissão de doenças respiratórias, cobrir a boca com o antebraço ao tossir ou espirrar, sempre utilizar álcool gel, ajudam na prevenção.

Quem pode se vacinar?
Poderão se vacinar todas aquelas pessoas que fazem parte do grupo de risco: pessoas com 60 anos ou mais, grávidas e mulheres até 45 dias depois do parto, crianças de seis meses até cinco anos, portadores de doenças crônicas, trabalhadores da saúde, apenados e pessoas que trabalham no sistema prisional, professores das redes pública e privada, e toda a população indígena. Pacientes já cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) devem se dirigir aos postos que estão cadastrados.

Indivíduos que apresentem pneumopatias, incluindo asma, cardiovasculopatias, nefropatias, hepatopatias, doenças hematológicas, distúrbios metabólicos, transtornos neurológicos e do desenvolvimento como epilepsia, paralisia cerebral, síndrome de Down, entre outros, imunossupressão associada a medicamentos, neoplasias, HIV/Aids ou outros, obesidade e pacientes com tuberculose, de todas as formas.

Público-alvo é ampliado
Este ano, o público-alvo da campanha foi ampliado a partir da inclusão dos professores do ensino básico e superior das escolas públicas e privadas. Para receber a vacina, basta se dirigir a uma unidade de saúde com sala de vacina. Os professores precisam apresentar comprovante de vínculo com uma instituição de ensino e as pessoas dos grupos de portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais precisam apresentar prescrição médica com a indicação para a vacina. Devem também ser vacinados os indivíduos com 60 anos ou mais, as crianças entre seis meses e menores de cinco anos, as gestantes, as puérperas – até 45 dias após o parto, os trabalhadores de saúde, os povos indígenas, os grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e a população privada de liberdade, e os funcionários do sistema prisional.

Foto: Divulgação/Notisul