O governo do Uruguai decretou nesta sexta-feira emergência sanitária e o “fechamento parcial das fronteiras” de maneira provisória, após o registro dos quatro primeiros casos de Covid-19 no país. Em entrevista coletiva, o presidente uruguaio, Luis Lacalle Pou, informou que a resolução implica “uma quarentena obrigatória para passageiros de (nove) países declarados de risco”, “proibição de desembarque de cruzeiros” e “suspensão de todos os espetáculos públicos”, entre outras medidas.

A lista de países “de risco”, divulgada pelo ministro da Saúde, Daniel Salinas, inclui China, Coreia do Sul, Japão, Cingapura, Irã, Itália, Espanha, França e Alemanha, e poderá ser ampliada de acordo com o desenvolvimento da pandemia. O governo decretou também a “suspensão de todos os espetáculos públicos”, o que inclui uma “recomendação” à Associação Uruguaia de Futebol (AUF) para suspender o Campeonato Uruguaio, o que já foi adotado para todas as categorias.

A emergência sanitária foi decretada horas após o Ministério da Saúde Pública confirmar os quatro primeiros casos positivos do novo coronavírus no país, todos em pessoas que estavam na Itália. “Todos vieram de Milão, entrando no país entre 3 e 6 de março. Os pacientes estão estáveis e em casa. Este ministério está monitorando o seu entorno”. Na noite desta sexta-feira, Salinas esclareceu que um dos quatro infectados chegou de Barcelona e não de Milão. Segundo Salinas, “as pessoas que mantiveram contato direto com os pacientes são potencialmente candidatos a uma quarentena de 14 dias”.

O ministro disse ainda que a população está sendo orientada a pedir atendimento domiciliar em caso de sintomas associados ao vírus. O ex-presidente e atual senador Julio María Sanguinetti declarou à imprensa que as escolas do ensino básico e secundário permanecerão abertas. Lacalle Pou esclareceu que a presença nas escolas será facultativa nos próximos dias.