A ursa que ficou conhecida como a “ursa mais triste do mundo”, nem parece a mesma.

Oito meses depois da mudança para um santuário de animais em Joanópolis, no interior de São Paulo, ela engordou 80 quilos, ganhou nova pelagem e até parece mais jovem.

Tudo é resultado de uma vida em ambiente com temperaturas mais amenas, alimentação adequada e tratamentos de saúde.

A ursa chegou a Joanópolis com aproximadamente 120 quilos, após pouco mais de um semestre na nova rotina, engordou e pesa atualmente cerca de de 200 quilos.

“Ela não sofre nenhum estresse agora, não passa calor, não passa fome, não passa pelas situações de quando era usada no circo. Mesmo com uma idade avançada, ela tem qualidade de vida e está saudável agora”, disse a fundadora do santuário Rancho dos Gnomos, Silvia Pompeu.

Circo

Ela viveu durante 25 anos em um circo e era chamada de Marsha. Agora ganhou o nome de Rowena, para inaugurar a vida nova.

Ela foi resgatada no Maranhão e doada ao parque de Teresina pelo Ibama. No antigo lar, ela enfrentava temperaturas de até 40°C.

Durante o período em que viveu no circo, a ursa foi acostumada a se alimentar de ração de cachorro. O alimento era usado por veterinários para poder atrair a ursa de um local para o outro.

Nesta época, em que ela ficou conhecida como a ursa mais triste do mundo, houve uma campanha para transferir a ursa do Piauí para o interior paulista, feita pela ativista Luisa Mell.
No ano passado a ursa foi transportada até São Paulo em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), em uma cabine climatizada especial.

Chamada de Marsha, ela ganhou o novo nome de Rowena para marcar a nova fase da vida do animal.

Tratamento

Com o tratamento que recebeu em São Paulo, os tufos começaram a cair e deram espaço para uma nova pelagem, mais macia.

“Ela tinha muito problemas de pele, como sarna, micose, fungos, infecções, infestação de verminoses. Tinha um cheiro muito forte. Muito desses problemas eram devido ao calor e à alimentação. A gente começou a tratar com uma dieta mais regrada e o organismo foi respondendo. É igual uma pessoa, o resultado é de dentro para fora”, explicou Silvia Pompeu.