Foto: Rafael Andrade/Notisul
Foto: Rafael Andrade/Notisul

Palhoça

O Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais da Unisul lança sua primeira turma no primeiro semestre de 2017, no campus Grande Florianópolis, em Palhoça. Duas linhas de pesquisa complementares estruturam a nova oferta de mestrado da Unisul. O candidato terá dois eixos de pesquisa para optar: Tecnologia e Ambiente ou Tecnologia e Sociedade.

O Programa está dentro de uma macroárea das Ciências Ambientais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e tem caráter interdisciplinar.  Na Unisul, a oferta foi elaborada por professores dos campi Grande Florianópolis, Tubarão e UnisulVirtual. “Nossa equipe é multidisciplinar, constituída por profissionais de diversas áreas, como oceanógrafo, químico, historiador, engenheiro, biólogo, administrador, matemático, entre outros. Todos eles com sólidos conhecimentos e pesquisas focadas em meio ambiente. Foi pensado e estruturado ao longo dos três últimos anos. Na semana passada, recebemos a homologação pela Capes”, contextualiza o coordenador do Programa, professor Sergio Antonio Netto.

“A primeira linha de pesquisa está associada às alterações provocadas pelo homem no meio e como o homem responde às mudanças ambientais em curso, por exemplo, a climática é uma delas”, pontua Netto. A segunda linha, Tecnologia e Sociedade, está relacionada ao desenvolvimento de novas tecnologias e o aprimoramento de tecnologias usuais, buscando processos produtivos mais limpos e a minimização dos problemas da relação sociedade e natureza. “A energia limpa, processos mais sustentáveis, minimização de resíduos e redução de impactos. São dois eixos complementares”, garante o coordenador.

Se o aluno de mestrado pretende trabalhar com tecnologias limpas ou energias alternativas, ele vai ter uma série de disciplinas, por exemplo, processos produtivos sustentáveis, energia e ambiente, biotecnologia ambiental e tratamento de reuso de águas residuárias. O foco das pesquisas do Programa será na aplicação. Sergio diz que claramente existe uma grande interface aplicada.