Cidade com 2.002 eleitores ficou sem representação feminina também na Câmara de Vereadores - Fotos: Kalil de Oliveira/Notisul.
Cidade com 2.002 eleitores ficou sem representação feminina também na Câmara de Vereadores - Fotos: Kalil de Oliveira/Notisul.

Santa Rosa de Lima

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as mulheres representaram 31,60% dos candidatos nestas eleições municipais em todo o país, apesar de serem a maioria entre os eleitores. No Vale do Braço do Norte, a desproporção em relação aos homens permaneceu bastante baixa se comparada com esses números.

Entre oito municípios, a única prefeita eleita em 2012, Dilcei Heidemann (PMDB), de Santa Rosa de Lima, não conseguiu manter-se no cargo. Esposa do ex-prefeito Bertilo Heidemann (PMDB), que desistiu de concorrer na última eleição por problemas com a justiça eleitoral, ela ficou apenas 57 votos atrás do professor Salésio Wiemes (PT).

A maioria das oito cidade do Vale elegeu pelo menos uma mulher. São 11 das 74 cadeiras, 14,8% das vagas. Em Santa Rosa de Lima e Gravatal, apesar da obrigatoriedade dos partidos em terem 30% de mulheres candidatas, apenas homens atuarão no legislativo. Armazém e São Martinho fizeram duas vereadoras cada.

A campeã de votos entre as mulheres foi a vereadora Carmelina da Silva Rossi, a Nina da Saúde (PMDB), de Braço do Norte, com 974 votos. A capital da moldura, aliás, é a cidade com mais vereadoras. São quatro mulheres para um total de 11 cadeiras na Câmara de Vereadores.

Representação
Segundo a lei 9.504/1997,  todo partido ou coligação deve reservar 30% mínimo para algum gênero, homem ou mulher, sem o qual podem ser impugnados. Mesmo assim, os homens são a maioria em praticamente todo o país. A Câmara Federal, por exemplo, tem apenas 10% de mulheres e o Senado 14%.