Ela decidiu contar sua história para alertar outros pais e mães sobre a importância de deixar água quente e bebidas quentes LONGE do alcance dos bebês e crianças. Uma mãe decidiu alertar outros pais após seu menino de 11 meses ter sérias queimaduras por causa de uma xícara de chá

A mãe Faye James desabafou após seu menino de 11 meses quase ter perdido a vida por causa de uma xícara de chá. Ela decidiu contar sua história para alertar outros pais e mães sobre a importância de deixar água quente e bebidas quentes LONGE do alcance dos bebês e crianças.

Faye desabafou: “Em um momento de estupidez, eu coloquei o chá no braço do sofá e fui pegar uns biscoitos. E foi quando a vida do meu filho mudou diante dos meus olhos. De repente nós ouvimos um grito terrível, meu filho havia tentado pegar o chá e ele caiu em dele. Eu e meu marido o levamos para a emergência imediatamente.

Quando chegamos no hospital, eu entrei gritando: ‘ajudem meu filho, ajudem meu filho’. As enfermeiras agiram muito rápido. Elas claramente perceberam a gravidade do que tinha acontecido. Eu não consigo me recordar direito das horas seguintes. Os médicos sedaram meu filho e disseram que ele precisaria ser encaminhado para outro hospital, pois estava com queimaduras de terceiro grau.

No dia seguinte, fomos para o outro hospital. Nos informaram que as queimaduras do nosso filho foram tão graves também porque nós não o colocamos na água fria logo depois da queimadura.

Os médicos também nos explicaram que o que aconteceu com nosso filho foi tão grave que ele poderia ter morrido. Eles ainda disseram que nosso filho precisaria passar por várias cirurgias e enxertos de pele.

Os meses seguintes foram um verdadeiro inferno. A primeira cirurgia foi o maior pesadelo, além de ter sido um procedimento muito complexo, meu filho não acordou depois da cirurgia. E os médicos precisaram reverter a sedação para garantir que meu bebê estava bem.

Foram muitas cirurgias, muita tensão e muita culpa. E após as cirurgias, meu filho ainda teve que passar um ano usando uma roupa especial. Ele sofreu muito com isso e hoje, após sete anos, apesar de ter se recuperado muito bem, ele ainda tem cicatrizes no pescoço e peito.

Até hoje eu me arrependo de ter deixado aquela xícara de chá ao alcance do meu filho. Meu bebê sobreviveu, mas nunca subestime o perigo que uma xícara de chá e outras bebidas quentes podem representar para os pequenos. Nós temos sorte que nosso filho sobreviveu a isto, mas poderia ter sido fatal”.