A fototerapia consiste na aplicação de banhos de luz ultravioleta. Em Tubarão, o tratamento é disponibilizado na clínica Pró-Vida  -  Foto:Marília Köenig/Pró-Vida/Notisul
A fototerapia consiste na aplicação de banhos de luz ultravioleta. Em Tubarão, o tratamento é disponibilizado na clínica Pró-Vida - Foto:Marília Köenig/Pró-Vida/Notisul

 

Tubarão
 
Combater, de forma eficaz, problemas de pele como a psoríase, o vitiligo e a dermatite atópica (alergia) é a finalidade da fototerapia, também conhecida como Puva. Segundo os dermatologistas Maria Virgínia de Melo Guedes e Luís Gustavo Sponchiado de Ávila, da clínica Pró-Vida, de Tubarão, sobretudo no caso da psoríase, nos primeiros 30 dias as pessoas já começam a sentir melhoras. 
 
O tratamento é também indicado para as hipomelanoses (manchas residuais que permanecem na pele após tratar micoses, como o pano branco). Para o vitiligo, os resultados da fototerapia levam um pouco mais de tempo para aparecer, mas o tratamento é também eficaz. 
 
“Outras vantagens da fototerapia são os poucos efeitos colaterais e o valor do tratamento, bastante acessível”, considera Luís Gustavo. A fototerapia consiste na aplicação de banhos de luz ultravioleta (UVA e UVB). A duração média de uma sessão é de 30 minutos. O indicado é fazer a aplicação duas vezes por semana.
 
Duas horas antes, o paciente ingere uma medicação chamada psoraleno, utilizada no tratamento de diversas doenças de pele e que serve para reter a radiação na pele do paciente.
 
“A medicação que hoje utilizamos é a mais leve de todas. Com ela, é possível tratar o corpo todo, exceto o couro cabeludo. No caso da psoríase, após o término do tratamento, o paciente pode ficar vários meses livre do problema”, pontua Maria Virgínia.
 
Para a dermatite atópica, a fototerapia é também um excelente recurso. Em geral, o tratamento dura de três a seis meses. A grande vantagem é dispensar a criança da ingestão de medicação.