Uma das últimas queimadas às margens da BR-101, ocorreu em Jaguaruna. A vegetação nos bordos de pista garante a qualidade da obra de duplicação, pois auxilia que não ocorra erosão de solo  -  Foto:Arquivo Esga-Dnit/Divulgação/Notisul
Uma das últimas queimadas às margens da BR-101, ocorreu em Jaguaruna. A vegetação nos bordos de pista garante a qualidade da obra de duplicação, pois auxilia que não ocorra erosão de solo - Foto:Arquivo Esga-Dnit/Divulgação/Notisul

 

Tubarão
 
Dados da estação meteorológica da Epagri de Urussanga, mostram que houve pouca chuva nos meses de fevereiro a este mês na região. Este extenso período sem registro de chuvas torrenciais, lança um alerta ao sul catarinense: a vegetação às margens da BR-101 torna-se vulnerável a incêndios, potenciais fatores de acidentes.
 
Além da questão climática, a imprudência de motoristas também contribui para o surgimento de focos de incêndio ao longo da rodovia. “Com o calor e o tempo seco, materiais como cacos de vidro ou até papel laminado podem iniciar uma queimada”, explica o comandante operacional do da brigada de Bombeiros Voluntários de Jaguaruna, Fabiano Dias.
 
Outro fator considerado é a fuligem incandescente expelida pela descarga de veículos automotores, principalmente de caminhões. O capim seco às margens da rodovia torna-se o combustível para queimadas.
 
Por conta do sistema de combustão do veículo desregulado, a fuligem incandescente sai pelo cano de descarga e começa o incêndio, que pode tomar proporções imensas e ter consequências graves, como um acidente fatal.
 
Além de todas estas questão, na região é muito comum a queima da vegetação para o preparo da terra. A prática pode gerar penalidade, previstas em lei. A vegetação devastada por queimadas nos bordos da BR-101 pode se recuperar.
 
Mas isto leva tempo. A vegetação garante que não haja erosão do solo, o que assegura a segurança de quem trafega pela rodovia, assim como a qualidade das obras de duplicação.
 
Riscos para quem utiliza a rodovia
O fogo nos bordos da BR-101 sul, além de trazer riscos de queimaduras às pessoas, afeta na visibilidade das pistas. Ao avistar um foco de queimada, a recomendação é ligar para os telefones de emergência da Polícia Rodoviária Federal (191) e Corpo de Bombeiros (193).
Ao entrar em um nevoeiro ou em uma nuvem de fumaça, o motorista deve tomar alguns cuidados para prevenir acidentes. Andar sempre com os faróis acessos na luz baixa. Os veículos com sistema de iluminação de neblina, podem – e devem – optar por ele. 
Não pare sobre a pista e não ligue os piscas-alerta quando estiver em movimento. Se o nevoeiro estiver muito denso, a Polícia Rodoviária Federal recomenda procurar um local seguro e fora do acostamento para estacionar. Reduza a velocidade e não faça ultrapassagens, principalmente nos trechos não duplicados da BR-101 sul.