A ordem de serviço para a construção da ponte Anita Garibaldi foi assinada pelo empresário Luiz Nascimento, da Camargo Corrêa, e o diretor geral do Dnit, general Jorge Ernesto Fraxe
A ordem de serviço para a construção da ponte Anita Garibaldi foi assinada pelo empresário Luiz Nascimento, da Camargo Corrêa, e o diretor geral do Dnit, general Jorge Ernesto Fraxe

 

Priscila Loch
Laguna
 
O projeto básico para a construção do Morro dos Cavalos, em Palhoça, foi aprovado e a construção garantida pela presidenta Dilma Rousseff ontem, em solenidade em Laguna. Falta a licença ambiental, já que a obra será executada em áreas indígenas. Não existe um orçamento ainda.
 
O ministro dos transportes, Paulo Sérgio Passos, revelou que, paralelamente aos trabalhos do túnel, será retirada do papel a “quarta pista” no trecho, uma alternativa para facilitar o fluxo de veículos até a conclusão da passagem sob a terra.
 
Já o túnel do Morro do Formigão, em Tubarão, não foi citado no palanque montado no Porto Pesqueiro. Ao fim do evento, a ministra das relações institucionais, Ideli Salvatti, assegurou o relançamento do edital de licitação para o próximo mês. A primeira licitação foi considerada fracassada após recursos impetrados pelas duas únicas concorrentes, a Serveng-Civilsan e o consórcio Sulcatarinense/Convap.
 
Porém, o superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit) em Santa Catarina, João José dos Santos, afirmou não ser possível relançar a licitação no próximo mês. “Não vai dar tempo. Deve levar de 60 a 90 dias para preparar toda a documentação, que inclui a atualização de valores”, justifica ele.
 
Ambas as obras não deve começar antes de 2013. E, se não houverem contratempos como embargos, a meta é concluí-las em 2014. “Vamos buscar fazer essas obras em dois anos”, almeja João José.
 
Investimento e empregos
A construção da nova ponte sobre a Lagoa Santo Antônio dos Anjos deve gerar 1,5 mil empregos diretos e cerca de cinco mil indiretos. A travessia terá 2,8 quilômetros de extensão e é apontada como o emblema da duplicação do trecho sul da rodovia federal. 
A obra deve custar entre R$ 560 milhões e R$ 597 milhões. A variação dependerá de algumas revisões do projeto executivo, como o aproveitamento de jazidas não comerciais e a redução dos gastos com mão-de-obra. “Não há nenhum embaraço para o início das obras”, garantiu o superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit) em Santa Catarina, João José dos Santos. 
 
BRs 280 e 470
A presidenta Dilma Rousseff também garantiu ontem a duplicação das BRs 280 e 470. Somadas às obras anunciadas para a BR-101, o investimento do governo federal deve superar R$ 3 bilhões. “Cerca de R$ 600 milhões para a ponte e acesso em Laguna, R$ 400 milhões para o túnel do Morro dos Cavalos, R$ 1,3 bilhão na duplicação da BR-470 e ainda falta definir o valor da BR-280”, citou a ministra de relações institucionais, Ideli Salvatti. 
No caso da BR-470, o projeto executivo é concluído e deve ser aberta uma licitação por lotes no segundo semestre. Além desses investimentos, o governo de Santa Catarina também terá acesso a um financiamento de outros R$ 3 bilhões, por meio do BNDES, para investir na infraestrutura no estado. 
 
 
A obra da ponte
• A atual ponte de Cabeçudas será reformada e utilizada para o trânsito municipal. 
 
• A obra, integrante do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), irá gerar R$ 25 milhões em Imposto sobre Serviço (ISS) para a prefeitura de Laguna.
 
• O consórcio Camargo Corrêa/M.Martins/Construbase foi o vencedor da licitação.
 
• Do valor total a ser investido, apenas 7% serão para acabamentos estéticos. O restante é para edificar os 2.815 metros de ponte.
 
• Serão pelo menos dois anos e meio de serviços e chama a atenção a logística necessária para desenvolver os trabalhos. Somente para a montagem do canteiro de obras, serão necessários cinco meses e o investimento de R$ 50 milhões. O terreno tem 11 hectares e fica às margens da SC-436, com abertura para a lagoa.
 
• Haverá alojamento para 800 pessoas, estação de tratamento de água e esgoto, área administrativa, refeitório para 1,4 mil pessoas, cozinha, posto de combustíveis, oficina de grande magnitude, usina de concreto e duas grandes pistas para rolamento da produção até um porto, de 200 metros de largura, que será construído na beira da lagoa.
 
• As pistas complementares à ponte Anita Garibaldi serão feitas pela JM Terraplenagens e Construções, de Brasília, vencedora da licitação, com o valor de R$ 58.636.738,70.
 
• Como a lâmina d’água onde será construída a ponte tem profundidade média de um metro, e as 30 balsas que levarão os materiais, equipamentos e trabalhadores não navegam em águas tão rasas, a solução é fazer uma dragagem de seis quilômetros e retirar seis mil metros cúbicos de areia do canal.
 
Confira o projeto do Morro dos Cavalos, em Palhoça.