Rafaela guardou o material de divulgação do curta-metragem que participou quando tinha 6 anos. O cartaz de A Antropóloga também recebe o mesmo cuidado
Rafaela guardou o material de divulgação do curta-metragem que participou quando tinha 6 anos. O cartaz de A Antropóloga também recebe o mesmo cuidado

 

Karen Novochadlo
Tubarão
 
O sonho de Rafaela Rocha de Barcelos, 14 anos, de Tubarão, era ser modelo. Era… a estatura baixa não a ajuda muito nas passarelas. Mas o que faltou em altura sobrou em talento de interpretação, o que abriu as portas para uma carreira de atriz.
 
No próximo dia 8, estreará o primeiro longa da adolescente: A Antropóloga, de Zeca Pires. Com dois filmes no currículo, Rafaela começou cedo. O primeiro papel veio aos 6 anos, quando estrelou o curta-metragem A História do Boi de Mamão, de Luiza Lins.
 
E foi por conta deste primeiro trabalho que a tubaronense foi chamada para o longa. Foram vários meses de teste até que Zeca a escolheu para o papel de coadjuvante em A Antropóloga. 
 
Nas gravações, o diretor procurou deixá-la à vontade, e ela não precisou decorar nenhuma fala. Tudo para deixá-la o mais confortável possível. As filmagens duraram seis meses e foram feitas na Costa da Lagoa, em Florianópolis, em 2007, quando Rafaela tinha 10 anos.
 
Na época, ela e a avó, Nali Estella Bossle, 67 anos, moravam na capital. Toda orgulhosa, dona Nali confessa que não era muito fã da ideia da neta ser atriz. Mas os olhinhos brilhantes de Rafaela convenceram a avó. "Ela que sempre quis. Nunca forcei a nada. É meu orgulho", derrete-se.
 
Hoje, dona Nali não descarta até em mudar para São Paulo ou Rio de Janeiro, caso Rafaela decida seguir em frente com a carreira de atriz. "Ainda não sei se é isso que quero", pondera Rafaela.
 
A história de A Antropóloga
O filme conta a história da antropóloga Maria de Lourdes Gomes Azevedo Ramos, a Malu (Larissa Bracher), realiza uma pesquisa de doutorado na área de etnobotânica. Ela começa a observar o trabalho da curandeira dona Ritinha (Sandra Ouriques). Ao acompanhar o tratamento realizado com as ervas da Mata Atlântica em Carolina (Rafaela Rocha de Barcelos) – filha do médico local –  Malu entra em contato com o sobrenatural e, envolve-se na cura da menina.