#PraCegoVer Na foto, em um bote, bombeiros militares prestam aux.o para moradores atingidos pelas cheias
Corpo de Bombeiros Militar de Tubarão atendeu 73 ocorrências relacionadas as chuvas até o fim a tarde desta quarta-feira (4) - Foto: Maurício Vieira | Governo do Estado | Divulgação

O ciclone extratropical que passam por Santa Catarina trouxe chuva intensa, em especial para a região do Planalto e Litoral Sul. As duas regiões são as mais atingidas. Até as 19 horas desta quarta-feira (4), 94 cidades catarinenses confirmaram ocorrências ligadas aos altos volumes de água que caem sobre o Estado desde a última segunda-feira (2), principalmente alagamentos, inundações, transbordo de rios, deslizamentos e quedas de árvores. Seis municípios decretaram situação de emergência: Tubarão, Orleans, Forquilhinha, Urubici, Maracajá e Araranguá. As fortes chuvas também castigam cidades do Vale do Itajaí e Grande Florianópolis. Até o momento, 420 pessoas estão desalojadas e 175 desabrigados. O maior registro é em Tubarão, com 101 desabrigados, conforme o último relatório da Defesa Civil Estadual. Na Amurel, o número de ocorrências foi de 73 nesta quarta, com auxílio a 149 moradores – abaixo, os maiores volumes de precipitação registrados nas últimas 48 horas (boletim emitido às 15h16min pela Defesa Civil Estadual).

A região mais crítica é o Sul do Estado, em especial por conta da previsão de ressaca no mar e possibilidade de enchentes. O município onde a ocorrência é iminente se os índices pluviométricos continuarem altos, é Tubarão. Na madrugada desta quarta, o nível do Rio Tubarão aumentou significativamente e houve transbordo nas áreas mais baixas, caso dos bairros da Madre, Bom Pastor, Guarda, Fábio Silva e São João. A água inundou ruas e casas, deixando várias famílias desalojadas. Nos bairros Humaitá e Dehon, boa parte das ruas estão submersas. O que mais preocupa as autoridades, no entanto, é a intensidade das chuvas nas regiões do Planalto Sul e do Vale do Braço do Norte, pois os mananciais desembocam no Rio Tubarão. Paralelamente a isso, a possibilidade de ressaca nas cidades litorâneas, especialmente em Laguna, pode bloquear o fluxo de água para o mar, o que torna o risco de enchentes ainda mais alto. Somente na tarde desta quarta-feira, equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil local atenderam 55 ocorrências relacionadas às chuvas em Tubarão.

#PraCegoVer Na foto, a vista aérea de Tubarão
Bairros Humaitá, Dehon, Guarda, São João, Bom Pastor, Madre e Fábio Silva são os mais atingidos em Tubarão. Na área central, o rio transborda ao chegar aos 7 metros acima do nível do mar – Foto: Maurício Vieira | Governo do Estado | Divulgação

O número de desabrigados subiu para 101 e estima-se que o de desalojados seja superior – muitos buscam abrigo na casa de familiares e amigos sem comunicar as autoridades, daí a dificuldade de um levantamento exato. As informações ainda estão sendo comunicadas e atualizadas pelas equipes que trabalham na região. Guarnições do Corpo de Bombeiros Militar de Blumenau, Balneário Camboriú e Chapecó estão a caminho do município para reforçar o trabalho de auxílio aos atingidos. Na régua de medição localizada em frente ao quartel do Exército, no bairro Passagem, o nível do Rio Tubarão chegou a ficar 6,40 metros acima do nível normal entre 10 horas e meio-dia. Com a chuva intermitente, a água chegou a descer um pouco e chegou aos 6,16 metros há 15 horas. Neste padrões já há transbordo nas áreas mais baixas e a partir dos 7 metros o rio sai do seu leito da região central. Para esta quinta-feira (5), a previsão da Epagri/Ciram é que a o volume de chuva em Tubarão supere os 100 milímetros.

Fonte: Defesa Civil de Santa Catarina, Defesa Civil e Prefeitura de Tubarão
Edição: Zahyra Mattar | Notisul

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul