Para o funcionamento do CCZ, ainda é preciso adequar a estrutura erguida no bairro Monte Castelo e sancionar a lei que regulamenta o  funcionamento do local
Para o funcionamento do CCZ, ainda é preciso adequar a estrutura erguida no bairro Monte Castelo e sancionar a lei que regulamenta o funcionamento do local

 

Angelica Brunatto
Tubarão
 
Das nove empresas que retiraram o edital para participar da licitação para equipar o setor cirúrgico do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Tubarão, apenas três foram habilitadas a prosseguir na concorrência. 
 
A licitação teve preço de saída de R$ 18.638,00, e visa a compra de mesa cirúrgica, microscópio biológico, estereoscópio, termômetro clínico e balança, entre outros materiais.
 
A abertura dos envelopes com as propostas de preço está marcada para as 13h30min desta sexta-feira. Porém, as empresas não habilitadas podem entrar com recursos para contestar a decisão até amanhã. 
 
Caso isto ocorra, será necessário aguardar o prazo para análise dos recursos. Com isso, nova data para a abertura dos envelopes de preço será marcada, possivelmente na próxima semana.
 
O funcionamento do CCZ, contudo, não depende apenas desta licitação. Ainda é preciso aprovar a lei que regulamenta o funcionamento do local. O projeto foi analisado pelos vereadores, em 1ª votação, na sessão desta segunda-feira.
 
A segunda está prevista  para amanhã. Além disso, também é preciso efetuar algumas adequações na estrutura erguida no bairro Monte Castelo e melhorar o acesso, hoje bastante precário.
 
As participantes
• Altermed – Rio do Sul
• Edivaldo Souza Nunes – Tubarão
• Dontotec – Tubarão