Ação deve ter parecer do próprio presidente do TRE-SC, desembargador Cesar Augusto Mimoso Ruiz Abreu - Sintaema/Divulgação/Notisul
Ação deve ter parecer do próprio presidente do TRE-SC, desembargador Cesar Augusto Mimoso Ruiz Abreu - Sintaema/Divulgação/Notisul

Pescaria Brava

Após aguardarem a publicação e analisarem a decisão do juiz eleitoral da 20ª Zona Eleitoral de Laguna, Paulo da Silva Filho, representantes da coligação Pescaria Brava no Rumo Certo, a qual o postulante ao cargo à majoritária é o atual prefeito, Antônio Honorato (PSDB), protocolaram o pedido de novas eleições no município. No último dia 13, o magistrado indeferiu o pedido de novas eleições em 1ª instância e decidiu não contabilizar os votos da urna da seção 90 (para vereador continua a valer) na Escola de Educação Básica Honorata Freitas, no bairro Sertão do Siqueiro.

O pedido de nulidade das urnas foi motivado por causa de supostas irregularidades. Honorato salientou que algumas ações nas ruas e a entrevista de seu opositor, neste caso o prefeito eleito, Deyvisonn Souza (PMDB), o fizeram analisar a situação e, junto com os seus correligionários, perceberam eventuais práticas suspeitas. Deyvisonn, que tinha vencido o pleito por um voto de diferença, viu aumentar sua vantagem para 76 após análise do juiz eleitoral da primeira instância. Agora, o TRE, em Florianópolis, avalia se mantém ou não a decisão de Paulo da Silva Filho.

Para Honorato, eleitores impossibilitados (fisicamente), como acamados e hospitalizados, foram às urnas praticar a sua cidadania, o que para ele é algo controverso. De acordo com o advogado da coligação, André Luiz Bernardi, o magistrado reconheceu a fraude nesta eleição, porém de forma parcial. “Este pleito foi viciado, não tenho dúvidas”, afirma o profissional.

O atual gestor crê que o entendimento dos operantes do TRE será diferente da decisão do magistrado de Laguna. “Esperamos uma resposta que possa valer a confiança do eleitor. Acredito que o pedido será acatado”, resume Honorato. Por outro lado, o vencedor do pleito não vê a situação desta forma. Ele acredita que no TRE a decisão será mantida. “Estou preocupado com a transição de governo, apenas, e com a situação que o município passou no último domingo (vendaval)”, assegura Deyvisonn.