O presidente Michel Temer disse neste domingo que as reformas propostas pelo governo federal são fundamentais para o país e, citando a reforma trabalhista, gera “incompreensões, objeções, contestações, mas que são típicas da democracia plena”. O presidente disse ainda que o país vai continuar a trabalhar com ou sem protesto.

Quero aproveitar para contar a todos, especialmente à imprensa brasileira, que eu acabei de transmitir ao senhor vice-primeiro-ministro as reformas fundamentais que nós estamos fazendo no Estado brasileiro, dentre elas a trabalhista, que gera, em um primeiro momento, naturalmente incompreensões, objeções, contestações, mas que são típicas da democracia plena que nós vivemos em nosso país”, disse Temer, na capital paulista, na cerimônia de abertura da Casa Japão São Paulo (Japan House), ao lado do primeiro-ministro japonês, Taro Aso.

O presidente reuniu-se com o vice-primeiro-ministro japonês, a portas fechadas, pouco antes do evento.

No discurso, o presidente disse que o Brasil continuará a funcionar com ou sem protestos. “O Judiciário, o Executivo, o Legislativo e o brasileiro é naturalmente um povo otimista, um povo que não tem pessimismo em nenhum instante. Por isso é que nós dizemos: aconteça o que acontecer, haja protestos, não haja protestos, o Brasil continua e continuará a trabalhar”, afirmou.

Na última sexta-feira, foram realizados atos e greve geral de várias categorias no país em protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência.

Foto: Agência Brasil/Divulgação