Tatiana Dornelles
Tubarão

A dor nas costas, que antes era considerada ‘coisa de velho’, hoje atinge grande parte da população jovem. Cada vez mais, as pessoas com idades entre 20 e 30 anos têm sofrido com o problema e, muitas vezes, não sabem a quem recorrer ou não querem procurar auxílio. Entre os motivos que levam a estas dores insuportáveis, está a má postura, o grande período sentado em frente ao computador, além das tensões do dia-a-dia.

“Muitos problemas ocorrem justamente pelo tempo enorme em que as pessoas ficam em frente ao computador, geralmente sentadas de forma errada. A tecnologia trouxe a comodidade que, por sua vez, trouxe problemas ao ser humano”, explica o fisioterapeuta especialista em quiropraxia Márcio José Mendes, de Tubarão.

A quiropraxia é uma técnica que proporciona o diagnóstico, tratamento e prevenção de problemas do sistema neuro-músculo-esquelético e ajuda a tratar dores na coluna lombar e torácica, hérnia de disco e dor ciática, dores no pescoço e de cabeça, bem como os desvios posturais.

“As atividades comuns do dia-a-dia, movimentos repetitivos e posturas viciosas fazem com que as articulações do corpo, principalmente da coluna vertebral, percam o alimenhamento ou movimento normal. Com a quiropraxia, são realizados os ajustes (estalos) das vértebras, que reposiciona e alinha o corpo e depois é realizada a manutenção através de exercícios de fortalecimento”, ressalta Márcio.

O diagnóstico é feito através de um exame para analisar a postura e são realizados testes ortopédicos e neurológicos. “Não são usados, em nenhum momento, equipamentos. Apenas as mãos e uma maca são necessários para aplicar a técnica”, diz.

A quiropraxia, reforça o fisioterapeuta, tem dois objetivos: corrigir e prevenir os problemas articulares. “Até mesmo quem não sente dores pode fazer, justamente para evitar problemas no futuro. Se preciso for, dependendo do caso, é trabalhado o RPG. Existem diversas técnicas desenvolvidas para restaurar a movimentação articular, como a quiropraxia. O ajustamento é específico e indolor. Nos Estados Unidos, onde a técnica é bastante conhecida, as pessoas procuram como se fossem à farmácia”.