O gerente da agência Tubarão da Caixa Econômica Federal, Márcio Borges, alerta para que o consumo seja consciente.
O gerente da agência Tubarão da Caixa Econômica Federal, Márcio Borges, alerta para que o consumo seja consciente.

Angelica Brunatto
Tubarão

Quem não tem o sonho de comprar uma casa própria ou um carro novo? Está cada vez mais fácil. Pelo menos para quem pretende realizar um empréstimo nos bancos do país com este propósito.
Isso por causa da redução das taxas de juros, que ocorre em diversas instituições financeiras. O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal anunciaram nesta semana mais reduções. “A decisão ocorreu devido a uma nova diminuição na taxa Selic (índice que norteia as taxas de juros no Brasil). Ela estava em 9,75% ao ano e baixou 9% ao ano”, explica o gerente geral da agência Tubarão da Caixa Econômica Federal, Márcio Borges.

Nesta agência, desde janeiro, foram liberados 2.560 milhões empréstimos consignados, crédito pessoal, penhor e financiamento de veículos. Já os empréstimos habitacionais, neste mesmo período, chegaram a 5.742 milhões de liberações. “Este número tende a aumentar cada vez mais, principalmente com estas reduções nas taxas de juros”, conta.
E não são apenas os bancos públicos que oferecem facilidades aos clientes. As instituições financeiras privadas também “entraram na briga”.

O Itaú-Unibanco e o Bradesco foram os últimos a anunciar as reduções para pessoas físicas e micro e pequenas empresas. Já diminuíram as taxas também o HSBC e o Santander.
No começo deste mês, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil já haviam reduzido as taxas de juros. Estas reduções ocorrem para atender a uma vontade do governo federal em fomentar a economia do país. “Quanto mais consumo, maior é a produção. Mais desenvolvimento”, explica Márcio.

Alerta para o consumo consciente

Mesmo com os juros mais baixos, o consumidor deve ficar atento! Muitas vezes, com o valor pago é possível adquirir dois produtos.
O gerente da agência Tubarão da Caixa Econômica Federal, Márcio Borges, alerta para o consumo consciente. “Consumo demais gera inflação. Também não adianta fazer várias prestações e não conseguir pagar no fim do mês”, revela.
Ele também lembra que o consumidor deve ficar atento as taxas reais e nominais. “Às vezes, os juros anunciados não são as reais, já que em alguns locais cobram outras taxas dos clientes”, explica.

Siga as dicas

• É importante ter cuidado com o uso do cartão de crédito e do cheque especial.
• Observe o valor do produto parcelado e à vista.
• Procure quitar as contas sempre no dia do vencimento.
• Evite ter vários cartões, muitas vezes um só realiza diversos procedimentos.
• Sempre leve em consideração o produto e principalmente a necessidade.
• Nunca compre por impulso.
• Anote sempre os seus gastos.