Em algumas localidades, o caminhão não passa há mais de um mês, e o lixo se acumula
Em algumas localidades, o caminhão não passa há mais de um mês, e o lixo se acumula

 

Angelica Brunatto
Tubarão
 
Os problemas no recolhimento de lixo nas áreas rurais de Tubarão são constantes. Muitos moradores têm reclamado. E com razão. Há localidades onde o caminhão não passa por mais de dois meses. 
 
E foi em razão destas queixas que os vereadores receberão na tarde hoje representantes da empresa responsável pelo recolhimento de lixo na cidade, da Epagri, e o secretário de infraestrutura da prefeitura, Ricardo Gaspar Cardoso. O assunto já foi tema da sessão plenária da última quinta-feira. 
 
Nas localidades como Morro da Sanga, Linha Mesquita, Alto Pedrinhas, Rio do Pouso Alto e Sanga da Areia recebem o caminhão do lixo apenas uma vez por mês. “Nestas áreas, a Retrans recolhe o lixo um sábado a cada mês, porém, quando chove ou cai em algum feriado, eles não vão, e há locais em que passam dois ou três meses sem coleta”, lamenta o vereador Dionísio Bressan (PP).
 
Conforme o contrato de recolhimento do lixo urbano, firmado entre a prefeitura e a Retrans, a empresa não tem obrigação de ir à zona rural. “A Retrans se dispõe a fazer, e queremos que seja feito regularmente”, afirma Dionísio. 
 
Uma das metas, para melhorar este recolhimento, é instalar coletores coletivos. “Em algumas localidades, o caminhão não consegue subir. Já houve até tombamentos”, justifica o gerente da Retrans, Claudio Nunes. 
 
Dionísio acredita que o serviço pode ser feito de forma adequada. “A Retrans deve se comprometer a utilizar equipamentos adequados para realizar a coleta, que possa ir a lugares de difícil acesso”, avalia.