Adaptar o horário de funcionamento do comércio de rua de Tubarão conforme a conveniência dos consumidores é uma ideia que vem sendo estudada pelo Sindilojas como forma de flexibilizar a circulação de clientes às lojas. A proposta parte da constatação de que o atual horário de funcionamento engessa a atividade comercial.

Outro ponto que leva o Sindilojas a trabalhar esta ideia de flexibilização do horário está baseado em uma pesquisa encomendada pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), realizada pela Unisul, indicando que quase 60% do entrevistados são favoráveis que as lojas deveriam abrir até as 19h30 de segunda a sexta-feira. A mesma pesquisa apontou que 66,6% avaliam que o comércio de rua não deveria fechar para o almoço.

A ideia do Sindilojas, segundo o presidente Marciano Michels, não é de prorrogar a carga horária do comerciário, mas sim de ampliar em uma hora a abertura das lojas. Com a proposta inicial de abrir até as 19 horas, ocorreria, de forma legal, um ajuste por parte dos empresários na escala de trabalho dos comerciários, flexibilizando o expediente para quem vai trabalhar pela manhã e para quem encerra as atividades.

Isto, segundo ele, permitirá que diferentes grupos de pessoas possam ter acesso às lojas em horários diferenciados pelo qual, no expediente tradicional, não teriam disponibilidade de fazer suas compras, incluindo o próprio comerciário que passaria a ter este tempo.

Com a adoção do novo horário, avalia-se que na hora de abertura e fechamento das lojas, poderá ocorrer uma melhor mobilidade no trânsito. Tanto no início do dia como no final, os congestionamentos acontecem em decorrência das escolas e de outras atividades que exigem das pessoas se descolocarem mais cedo e também saírem mais cedo de suas funções. “Com o novo horário do comércio, isto permitirá menos veículos nos tradicionais horários de pico e vai gerar menos estresse e melhor qualidade de vida”, avalia Marciano Michels.

“Quem pede um horário flexível não é o Sindilojas e nem a CDL, mas o consumidor. Esta solução não é uma decisão aleatória e no atual momento que todos passamos, é uma medida democrática que atende a todos”, acentua.

Na análise de Marciano Michels, o horário flexível, além gerar um impacto nas vendas por atingir os clientes em horário melhores, a flexibilização também deverá gerar novos empregos. “Num período em que a ameaça ao desemprego é uma realidade em decorrência da pandemia da Covid-19, a possibilidade de gerar empregos é uma excelente perspectiva para amenizar os efeitos econômicos e pensarmos no lado positivo de toda esta situação. A hora é de todos nós nos reiventarmos”, avalia.

GARANTIAS
A flexibilização de horário não obrigaria todo o comércio a estender seu expediente de funcionamento. Caso a ideia seja concretizada pelo Sindilojas e o empresário optar por aderir a este novo horário, segundo Marciano, são garantidos aos trabalhadores o cumprimento da legislação trabalhista e os pontos da convenção coletiva da categoria. A carga horária semanal seguirá como uma garantia legal do trabalhador, bem como o limite máximo de horas extras diárias.

Foto: Mirna Graciela/Notisul