#Pracegover Na foto, uma sala de aula com carteiras vazia, destaque para um frasco de álcool em gel sobre uma mesa.
Foto: Júlio Cavalheiro/Secom

Em Assembleia Estadual Virtual do SINTE-SC, realizada nesta terça-feira a maioria dos participantes votou pela suspensão da greve da categoria marcada para esta quinta-feira (18) reinício das aulas presenciais no Estado.

O Coordenador Estadual do SINTE-SC destacou que a exigência da Executiva Estadual é para que o governo do Estado agilize a vacinação de toda a população catarinense, principalmente, diante do agravamento da pandemia de Covid-19.

Conforme o professor Luiz Carlos Vieira, “o nosso trabalho sindical será intensificado, buscando, cada vez mais, a unificação, dialogando com toda a categoria, e reafirmando nosso posicionamento para o governo do Estado. Nós defendemos, sim, a vida”.

O Coordenador Estadual afirmou também que “dia oito de março será quando o Sindicato terá realmente o quadro desta construção, com denúncias de todas as Regionais. O SINTE não ficou parado, durante todos esses meses de pandemia, e intensificaremos as nossas lutas”.

A Assembleia Estadual Virtual do SINTE-SC também reforçou o que a Executiva Estadual tem defendido, a posição contrária às aulas presenciais, em razão da pandemia de Covid-19 em ascensão, em Santa Catarina. Neste sentido, o SINTE-SC encaminhou, nesta terça-feira (16) ofício ao governo do Estado, chamando-o à responsabilidade, para que revogue o edital de retorno às aulas presenciais em todo o Estado.

O objetivo maior do SINTE-SC, agora, a partir do resultado da Assembleia, é conscientizar o governo do Estado sobre os riscos de contaminação, com o reinício das aulas presenciais.

“Como exemplo, foi destacado, durante a Assembleia, que em 53 municípios, principalmente, da região oeste do Estado, os prefeitos decretaram suspensão das aulas presenciais, nas redes municipal, estadual e particular. Isso comprova a gravidade da pandemia, não só no oeste catarinense, pois Blumenau vem registrando contaminação por Covid-19 nas escolas, e até o prefeito já tomou a iniciativa de testagem nas turmas onde houve contágio”, disse o sindicato em nota.

Abaixo, segue os encaminhamentos definidos durante a assembleia

1 – Suspensão da greve aprovada na Assembleia Estadual do dia 18/02/2021;
2 – Continuar exigindo do Governo a manutenção das aulas remotas, no mesmo modelo de 2020, até ter vacina para todos/as;
3 – Assembleia Estadual dia 08/03, e participação nas atividades do dia Internacional das Mulheres e Nacional de Luta em Defesa da Vida e da Educação Pública;
4 – Potencializar a campanha para a Comunidade Escolar no sentido de que os pais não enviem seus filhos às aulas presenciais, para veiculação nas mídias,
5 – Potencializar o canal de denúncias no site do SINTE sobre as condições estruturais das escolas que não proporcionam segurança aos Trabalhadores/as em Educação e toda a comunidade escolar, em relação ao Covid-19; (fotos, vídeos, depoimentos…)
6 – Trazer depoimentos de professores de Estados em que as aulas presenciais voltaram e o contágio aumentou;
7 – Denunciar junto a Defesa Civil e Vigilância Sanitária, a falta de condições sanitárias das escolas, e o não cumprimento do PlanconEdu;
8 – Fiscalização constante nas escolas, por parte dos professores e encaminhar denúncia via canal divulgado. Documentar a falta de instalações necessárias nas escolas e entregar nas CREs, solicitando que a escola não volte com o ensino presencial/híbrido. (Vistoria das unidades escolares, antes do retorno, e fiscalização posterior)
9 – Exigir que o Governo de Santa Catarina adquira lotes de vacinas, altere o plano estadual de imunização e acelere o cronograma de vacinação proposto pelo Ministério da Saúde
10 – Exigir que o governo de Santa Catarina compre, imediatamente, lotes de vacinas adicionais, para vacinação de toda população catarinense, e faça testagem em massa, em todo estado,
11 – Exigir o cumprimento da lei 18.043/2020, de forma uniforme e sem critérios diferenciados entre as Coordenadorias Regionais de Educação;
12 – Denuncia sobre a situação da merenda escolar, que não está sendo distribuída para os estudantes, via Conselho Estadual de Alimentação Escolar e canal de denúncias na página do SINTE/SC,
13 – Defesa da extensão do auxílio emergencial para todos/as até o final da pandemia,
14 – Defesa do SUS público, contra a reforma administrativa, da previdência e tributária, a favor da taxação das grandes fortunas e contra as privatizações; Fora Bolsonaro e Mourão,
15 – Mobilização para o dia da Greve Nacional aprovada pela CNTE (08 de Março).