Siderópolis 

Siderópolis será o primeiro município da Região Carbonífera a construir uma piscina térmica para tratamentos fisioterápicos e saúde da terceira idade. A inovação é um projeto do Governo Municipal que agora saíra do papel com a parceria do Governo do Estado, por meio da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) Criciúma.

Para a primeira etapa do projeto, serão investidos cerca de R$ 253 mil. Destes, R$ 200 mil são do Estado e R$ 53 mil como contrapartida do Município. O convênio que garante o repasse dos recursos e a realização da obra foi assinado pelo prefeito Hélio Cesa, o Alemão, juntamente com secretário Regional João Fabris, na presença do vice-prefeito Xande Feltrin.

O projeto contempla a construção de 204 m² de área. Ela irá abrigar a piscina, banheiros, vestiários e equipamentos. Para o prefeito, a construção desta ferramenta é uma conquista que vai ficar na história do município. “Seremos o primeiro município da região a ofertar este serviço aos usuários do Sistema Único de Saúde – SUS. Muito em breve todo este investimento estará revertido em qualidade de vida e saúde para a nossa população”, enalteceu Alemão.

Ele aproveitou a oportunidade para agradecer a parceria do Estado, em nome do governador, Raimundo Colombo, do vice-governador, Eduardo Moreira, e do secretário de Infraestrutura, Luiz Fernando Cardoso, o Vampiro.

O prefeito ainda lembrou que a construção da piscina é muito aguardada pelas pessoas da terceira idade do município. O objetivo é que ela seja mais um instrumento público em prol de uma vida saudável. “Já oferecemos algumas atividades por meio do esporte e agora teremos a piscina térmica para que nossos idosos mantenham o movimento e a saúde”, destacou o prefeito.

Com pouco mais de 13 mil habitantes, a indicação de fisioterapia aos pacientes do SUS, em Siderópolis, já é considerável. De acordo com a secretária de Saúde, Glaucia Cesa Périco, o Município tem parcerias com entidades para determinados tipos de tratamento. Entre eles, a hidroterapia. “Nossa demanda de pacientes que necessitam de fisioterapia já é grande. Esta ferramenta vai auxiliar muito na melhora dos pacientes e na agilidade do tratamento”, explicou.

O secretário Regional salientou que as prefeituras têm aplicado a maioria dos recursos em saúde e infraestrutura. “Cada prefeito deve estudar o seu município e ver onde é a maior demanda. Acredito que esta ferramenta vai auxiliar e muito na recuperação dos pacientes de Siderópolis”, comentou Fabris.