Setor de serviços foi o que mais contratou no mês passado em Tubarão. Foram 191 novos postos criados. Um exemplo é a Bem Estar Climatização. O proprietário Raul Gil da Silva contratou mais três funcionários em março
Setor de serviços foi o que mais contratou no mês passado em Tubarão. Foram 191 novos postos criados. Um exemplo é a Bem Estar Climatização. O proprietário Raul Gil da Silva contratou mais três funcionários em março

Angelica Brunatto
Tubarão

 
O saldo de empregos em Tubarão foi positivo. O mês passado fechou com 419 novos postos de trabalho criados. Foram 2.168 admissões e 1.749 desligamentos na Cidade Azul, conforma mostram os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
 
Apesar de bom, o número não foi o esperado pelo secretário de desenvolvimento econômico da prefeitura, Celso Meneghel. “Deveria ter sido melhor, mas é satisfatório só pelo fato de ser positivo. É um número que não pode ser comemorado, mas também pode ser preterido”, pondera Celso. 
 
O setor que mais abriu vagas no mês passado foi o de serviços, com 191 novos postos de trabalho. O proprietário da Bem Estar Climatização, Raul Gil da Silva, contribuiu para este incremento. “Contratei três funcionários no mês passado. Só neste ano dobrei o quadro de funcionários da empresa”, comemora Raul Gil.
 
Em segundo lugar na geração de emprego em Tubarão está a indústria de transformação. O saldo foi de 95 novos postos criados no mês passado. “Estamos em uma caminhada lenta e gradativa para transformar a indústria em um verdadeiro gerador de empregos”, valoriza Celso.
 
Os serviços industriais de utilidade pública e o comércio aparecem, respectivamente, em terceiro e quarto lugares na geração de vagas, com saldo positivo de 66 e 51 contratações, respectivamente.
 
Entre todas as áreas pesquisadas, a agropecuária foi o setor que menos contratou. O saldo foi negativo: foram dois desligamentos e nenhuma contratação no mês passado.
 
Os últimos 12 meses em Tubarão
Ao contrário do cenário de março, o balanço dos últimos 12 meses de Tubarão mostra que o carro chefe da geração de empregos não foi o setor de serviços. A indústria de transformação foi responsável por criar 681 postos de trabalho neste período. 
Em seguida aparece o comércio, com a abertura de 533 novos postos de trabalho neste período. O setor de serviços foi o responsável pelo saldo de 470 empregos e aparece em terceiro lugar na pesquisa feito pelo Ministério do Trabalho e Emprego, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).
 
Oposto: Em Imbituba, o setor  de serviços foi o que menos contratou
Em Imbituba, o carro chefe na criação de empregos foi a administração pública, com um total de 13 novas vagas abertas. Na contramão de Tubarão, o setor de serviços foi o que menos empregou na Zimba. O saldo foi negativo, com o fechamento de 35 postos de trabalho no mês passado.
“Isso ocorre porque muitos destes serviços são vagas temporárias criadas no setor turístico. Com o fim da temporada, temos uma crescente nos desligamentos. A consequência é o saldo negativo”, explica o agente administrativo da secretaria de turismo da prefeitura de Imbituba, Romeu Pires Filho.
Em 12 meses, Imbituba criou 226 novos postos de trabalho. O setor com mais contratações foi o do comércio, com 195 novos empregos. A construção civil, no entanto, foi o que apresentou pior resultado. Neste período, o saldo foi negativo em 187 vagas.
 
Agropecuária é o setor que mais contratou em Laguna
Em Laguna, foram criadas 22 novas vagas de empregos no mês passado. “Ainda precisa melhorar”, avalia o secretário da pesca, desenvolvimento rural e aquicultura da prefeitura de Laguna, Natanael Wisintainer. 
O setor que mais contratou foi o da agricultura, extrativismo vegetal, caça e pesca. Foram 66 novas vagas criadas. Já o comércio e o setor de serviços foram os que menos contrataram. Ambos registraram número negativos: 13 e 48, respectivamente. “Isso ocorre pelo fim da temporada de verão, quando há demissões das pessoas contratadas em caráter temporário”, justifica o secretário.
Nos últimos 12 meses, Laguna criou 162 novos postos de trabalho. Neste período, o segmento que mais contratou também foi o de agricultura, com 74 novos empregos criados. O setor de serviços foi o que menos contratou. O saldo foi negativo em 23 vagas.
 
O saldo de contratações no setor da agropecuária, que inclui a pesca, foi de 22 novos empregos. Este foi o setor econômico mais aquecido no mês passado, em Laguna