O estudo apresentado pela empresa contratada para elaborar o laudo técnico da situação estrutural das pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Machado Salles identificou que seis blocos precisam ser recuperados emergencialmente, sem necessidade de interdição das estruturas. Ele ainda apontou os serviços que devem ser realizados gradativamente.

A Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade (SIE) esclarece que em novembro de 2019, com base em levantamento realizado por técnicos do órgão, determinou o processo de contratação de uma empresa para elaboração do laudo técnico. Em dezembro de 2019, a empresa foi contratada para fazer a avaliação técnica e em fevereiro deste ano, o laudo foi concluído.

Em 2 de março, o projeto para execução da obra emergencial nos seis blocos terminou de forma que os trabalhos serão realizados simultaneamente em dois blocos.

“Todo o processo foi realizado de forma bastante célere, em que pese a complexidade do projeto de recuperação estrutural, e todas as decisões foram tomadas com muita responsabilidade e embasadas pelos conhecimentos técnicos apresentados”, explica o secretário da Infraestrutura, Thiago Vieira.

Desde o conhecimento do estudo, a SIE está trabalhando em conjunto com o Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público de Santa Catarina para iniciar o processo de dispensa de licitação para contratar empresa com expertise nos serviços que precisam ser realizados emergencialmente.

No dia 2 de abril, foi iniciado o processo de contratação da obra, com envio de cotação para nove empresas, sendo que cinco delas apresentaram propostas que estão em fase final de análise de técnica e preço. A previsão é que a contratação da empresa ocorra nos próximos dias e os trabalhos emergenciais sejam iniciados em junho.

“Nesta gestão foi iniciada a primeira manutenção das pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Machado Salles e, com comprometimento e responsabilidade, o Governo do Estado está tomando todas as medidas necessárias para recuperação das estruturas e para garantir a segurança dos usuários”, reforça Vieira.