O investigadores do Seripa 5 (Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) divulgaram nesta semana dados de como está a investigação da queda do helicóptero em Joinville. O incidente aconteceu na tarde da última quinta-feira (8), no bairro Paranaguamirim, na zona Sul da cidade, deixando três pessoas mortas e uma ferida.

O primeiro passo na investigação foi fazer todo o registro fotográfico do que restou da aeronave, de matrícula PR-HBB. Depois disso, os pedaços da fuselagem foram encaminhados para análise. Outro procedimento já realizado pelas equipes do Seripa 5 foi ouvir os relatos de testemunhas e reunir documentos, como imagens de câmeras de monitoramento que possam ajudar na apuração do que motivou a queda.

Nesta semana o IGP (Instituto Geral de Perícias) de Joinville afirmou também que os corpos do piloto da aeronave, Antônio Mário Franco Aguiar, 56 anos, o ajudante de pista, Bruno Siqueira, 21, e o passageiro que está em processo de identificação não tinham marcas decorrentes de tiros. É possível que o corpo sem identificação seja de Ivan Alexandre Zurman Correa. Familiares dele procuraram a Polícia Civil para relatar o desaparecimento do rapaz. Eles foram orientados a irem até o IML (Instituto Médico Legal) de Joinville para coletarem amostras de DNA que serão comparadas com a vítima carbonizada.

O Seripa 5, que integra o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), informou também que investigação tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram. “A necessidade de descobrir todos os fatores contribuintes garante a liberdade de tempo para a investigação. A conclusão de qualquer investigação conduzida pelo órgão terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade do acidente”, disse o Cenipa, por meio de nota.