Prainha do Farol de Santa Marta, em Laguna, é o único ponto considerado impróprio para o banho na região.
Prainha do Farol de Santa Marta, em Laguna, é o único ponto considerado impróprio para o banho na região.

Zahyra Mattar
Laguna

A temporada de verão 2011/2012 já está na ‘porta’. E a região é privilegiada quando o assunto é as praias e lagoas. O melhor de tudo: as condições das águas são muito superiores da de outros redutos turísticos do estado e do país. Na região, a balneabilidade das águas é um diferencial.

Alguns pontos, é verdade, sempre figuram entre os impróprios para o banho. É o caso da Prainha do Farol de Santa Marta, em Laguna. Mas, ainda assim, na maioria dos levantamentos feitos pela Fatma, a região destaca-se por ter a boa parte dos pontos com água boa. A partir do próximo dia 9, os relatórios voltam a ser feitos semanalmente.

O levantamento deste mês, divulgado nesta sexta-feira, mostra apenas um ponto impróprio na região. E justamente a Prainha do Farol. Ao todo, no estado, são coletadas amostras em 176 pontos dos 195 monitorados em 106 praias e lagoas, em 27 municípios. Deste total, 20 ficam na região, nas cidades de Garopaba, Imbituba, Laguna e Jaguaruna.

Hoje, Santa Catarina está com 57 pontos impróprios, o equivalente a um índice de 29,23% de locais não indicados ao banhista. No ano passado, nesta mesma época, o estado tinha 37 pontos (19,07%) a serem evitados.
É considerado ruim ao banho quando 80% dos últimos cinco resultados estiverem acima de 800 Escherichia coli por 100 mililitros de água. Todos os pontos monitorados são identificados com placas indicativas, seja ele próprio ou não.

Uma questão de saúde pública

Para escolher um local de coleta, é levada em conta a quantidade de banhistas e a proximidade a saídas de corpos d’água, como rios, riachos, valas e tubulações. Esses locais, muitas vezes, são procurados por crianças e adultos atraídos pela água quente e calma. Contudo, são pontos que deveriam ser evitados porque geralmente são por estes locais que o esgoto chega à praia.

O resultado deste descuido é o suficiente para transformar as férias – ou o feriado desta semana – em um pesadelo. A água contaminada pode causar doenças como gastroenterite, verminoses, doenças de pele e até enfermidades mais graves, como hepatite, cólera e febre tifóide.

Para chegar ao resultado, é verificada a quantidade de Escherichia coli existentes. Esta bactéria representa 80% dos coliformes fecais e, por isso, é considerada a melhor indicadora de poluição hídrica. A coleta é feita sempre no mesmo local, a aproximadamente um metro de profundidade.
Além da amostra da água, a Fatma também acompanha as condições climáticas, o vento, a maré, a temperatura e o PH da água. Estes fatores podem influenciar diretamente no resultado de balneabilidade.