Foto: Divulgação/Notisul
Foto: Divulgação/Notisul

Gravatal

Santa Catarina é um dos Estados com a maior expectativa de vida do Brasil – em média de 78 anos, sendo 84 para mulheres e 74 para homens, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população de idosos no Estado é de mais de 600 mil, segundo o mesmo Instituto. Com um desempenho em longevidade alcançado tão bom, aumenta a cada ano a responsabilidade dos municípios para garantir dos direitos de quem vive a terceira idade, ou “melhor idade” como muitos preferem chamar.

O aprofundamento dos debates sobre o tema e as trocas de experiências são maneiras de buscar novos conhecimentos que levem a implantação de políticas públicas adequadas aos novos desafios.
Com o objetivo de debater e aprofundar o assunto, a Federação Catarinense de Municípios (Fecam) promove, desde ontem, em Gravatal, o 4º Seminário Estadual sobre Envelhecimento Ativo.

O evento reúne servidores públicos e autoridades políticas municipais, estaduais e federais.

Entre os temas em debate estão o aprofundamento do conhecimento sobre o processo de envelhecimento ativo, o funcionamento dos Conselhos Municipais e instituição dos Fundos Municipais do Idoso; apresentação da Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa; e o funcionamento das Instituições de Longa Permanência (ILPIs) e Centros Dias. Na programação dos dois dias haverá também a troca de experiências entre os municípios em relação ao atendimento da pessoa idosa e o compartilhamento de iniciativas pró-envelhecimento ativo.

Durante a programação, o Conselho Estadual de Idoso (CEI) orientará os participantes sobre a realização das Conferências Municipais da Pessoa Idosa.

Márcia Gebara, coordenadora-geral de Políticas de Envelhecimento Ativo e Saudável do Ministério de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, fez a conferência de abertura intitulada “A Pessoa Idosa e a Promoção, Defesa e Garantia de Direitos”.