Barragem da Casan em São Joaquim está praticamente seca. Foto: NotiSerra

A estiagem em Santa Catarina está chegando a níveis insustentáveis e alguns municípios já sentem os reflexos. Muitos rios estão quase secos ou muito abaixo da média.

De acordo com a Epagri Ciram, que acompanha a tabela dos níveis de rios, os Complexos Hidrológicos Rio Negro e Jacutinga, e as Bacias Hidrográficas do Rio Tubarão, Rio do Peixe, Rio Chapecó, Rio Itajaí-Açú, Rio Canoas, Rio Antas e Rio Tijucas , encontram-se em regime hídrico extremo, e sofrem com a estiagem.

Foi declarado situação de emergência para os rios Linha Jataí, Encruzilhada II, Saltinho, Chapadão do Lageado, José Boiteux, Ponte Moratelli, Salseiro, São João Batista, São Martinho – Jusante, Porto FAE Novo, Barra do Chapecó Aux., Joaçaba I, Tangará, Foz do Rio Claudino e Montante – Barragem Concórdia;

E estão em alerta Barragem Oeste, Centro – Rua Vitório Celant, Rio Negrinho – Fazenda Rudnick, Rio Negrinho – Foz do Rio Negrinho.

O Rio Tubarão não é afetado com índices baixos porque tem ligação direta com o mar, então nunca vai secar. O que pode acontecer por causa da estiagem é o nível do rio baixar facilitando a entrada de muita água salgada deixando-a imprópria para consumo, principalmente na agronomia.

“A média de salinidade da água do Rio Tubarão é de 750 milisiemens, hoje está em 3.500 milisiemens por conta da falta de chuva. É 5 vezes acima do normal”, diz o Engenheiro Agrônomo da Plantar Agronomia, Clair Teixeira de Souza.

 

É pouca chuva pra muita seca


A estiagem vem castigando Santa Catarina desde meados de 2018, foi suave até maio de 2019 quando choveu bastante dando a entender que o período de seca ia acabar. Em algumas cidades teve registro de 400 mm, 500 mm de chuva.

Mas em junho de 2019 a chuva parou e deu início a uma longa estiagem. “Até hoje só tivemos um evento bom de chuva, em meados de outubro para começo de novembro. Depois segunda quinzena de dezembro e primeira de janeiro e só”, disse o agrônomo Ronaldo Coutinho.

Rio Tubarão/ Arquivo Google.

Em Tubarão a chuva também está abaixo do normal. De acordo com dados da Plantar Agronomia, a cidade registrou 30% da chuva normal nos últimos 3 meses.

Em fevereiro foram 66 mm de chuva e a média do ano anterior é de 151 mm. Em março foram apenas 40 mm contra uma média de 153 mm. E em abril, até o dia 27 foram registrados 43 mm de chuva quando a média do ano anterior foi 119 mm.

De acordo com a Epagri/Ciram as projeções para os próximos meses não são boas. A previsão para o trimestre é de chuva abaixo da média climatológica em Santa Catarina. A chuva tende a ficar mais escassa nos meses de abril e maio e será mal distribuída.

 

Rios podem entrar em colapso

De acordo com Coutinho esta estiagem é considerada a mais severa dos últimos anos. E se a previsão de pouca chuva se confirmar muitos rios catarinenses podem entrar em colapso.

“Até o final desse ano e começo do ano que vem vamos conviver com a estiagem. Não é que não vai chover neste período. Vamos ter longos de períodos de pouca ou nenhuma com intervalos de chuva forte. Não dá para dizer se serão 1, 2 ou 3 intervalos ou se os intervalos serão de uma ou duas semanas. Tem que ter esses intervalos de chuva até setembro, senão o produtor não terá água para fazer tratamento e nem para a população”.