Com a pandemia do novo coronavírus os circos não podem receber público, estão de portas fechadas e consequentemente não têm arrecadação.

No começo do isolamento social muitos circenses conseguiram se manter com uma reserva financeira, mas sem bilheteria o dinheiro acabou e as famílias estão passando dificuldades.

É o caso do Circo Fantasy que está armado no estacionamento do supermercado Russel, em Braço do Norte, com 5 famílias sem poder trabalhar.  Um dos membros, David Lincon, chegou a publicar um pedido de ajuda no Facebook.

“Viemos pedir a solidariedade e ajuda de vocês. Somos em 15 pessoas sendo 1 criança criança de 4 anos e uma gestante. Precisamos de alimentos, leite, produtos de higiene”, escreveu na publicação.

 

Eles se viram como podem

O Circo Fantasy é da cidade de Avaré, mas se apresenta em Santa Catarina com bastante frequência. O grupo é composto por 30 membros. A temporada de apresentações começa na segunda quinzena de janeiro de cada ano e vai até a metade dezembro. Entre janeiro e dezembro tiram férias por conta da baixa temporada.

O circo começou uma nova turnê na segunda quinzena de janeiro e passou por Tijucas, São João Batista. Jaguaruna, Urussanga, Tubarão e Braço do Norte. Eles se preparavam para ir a São Ludgero para uma nova apresentação, mas veio o decreto do isolamento social.

O dono do circo, Rafael Lincon (18 anos), disse que o eles pararam no momento em que iniciaria os meses bons para fazer apresentações.

“Entre março e novembro são os meses que mais temos público. E os catarinenses são as pessoas que mais assistem circo no Brasil, sempre temos plateia lotada.

Neste momento, parte dos circenses está na casa de parentes e amigos, e os que ficaram em Braço do Norte se viram como podem. Alguns moradores de Braço do Norte também ajudam com doações.

Rafael diz que as famílias foram até à prefeitura para pedir ajuda e conseguiram ajuda com cesta básica. Mas os problemas não param por aí. Eles ainda consomem água e energia e vão precisar pagar.

“O terreno onde estamos pagamos 1 mês de aluguel, o contrato acabou e o dono cedeu para que possamos ficar até conseguir resolver”, disse Rafael.

Quem quiser contribuir com os membros do circo pode procurar o Rafael pelos números (37) 99117.7792 ou (14) 98182.5791