Wagner Silva
Grão-Pará

A ponte Pascoa Dacoregio, que divide as comunidades de Rio Cachoeirinha e Rio Valter, em Grão-Pará, está interditada desde a semana passada. A passagem sofreu mudanças no último ano, após as chuvas castigarem o município em várias ocasiões. Mas, no início da última semana, após uma avaliação da engenheira da prefeitura de Grão-Pará, Daiana Jung, o chefe do executivo, Valdir Dacoregio (PMDB), determinou a interdição do local.

Apesar do risco de desabamento, funcionários de uma empresa e moradores das duas comunidades ainda utilizam o acesso. Segundo laudo da engenheira, o problema está na pilastra de sustentação da ponte. O chão abaixo de um dos pilares cedeu. Parte do apoio não escora mais a passagem, o que oferecer risco a pedestres e motoristas.

A preocupação do prefeito é que o fluxo não foi interrompido, mesmo com os cavaletes colocados no local para proibir a passagem. “Tomamos esta atitude para que ninguém sofra um acidente. As pessoas que passam por ali não sabem o risco que correm por conta deste problema”, enfatiza Dacoregio.

A empresa executora da obra foi acionada na última sexta-feira para que avalie os riscos e faça as correções necessárias. “Queremos tudo resolvido nesta semana. Algo deste tipo pode cancelar financiamentos ou ainda tornar um prefeito inelegível. Mas o pior é tudo é ocorrer uma tragédia com alguém”, ressalta Dacorégio em tom de preocupação.