A presidente da Segunda Turma do STF, ministra Cármen Lúcia, decidiu levar a julgamento na sessão desta terça-feira, 25, o habeas corpus em que a defesa do ex-presidente Lula pede que seja declarada a parcialidade do ex-juiz federal e ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, no processo da Operação Lava Jato referente ao tríplex do Guarujá.

A decisão de analisar a ação movida pelos defensores do petista foi tomada após o ministro Gilmar Mendes, a quem caberia “devolver” o processo a julgamento depois de um pedido de vista, ter retirado o habeas corpus da pauta na segunda-feira, 24.

Logo no início da sessão na Segunda Turma, os advogados de Lula pediram que a ação fosse incluída na pauta. Então, Gilmar propôs que os ministros não analisassem o tema, e sugeriu a concessão de uma liminar para que Lula aguardasse o julgamento em liberdade. Diante da proposta, o colegiado decidiu levar o pedido de suspeição de Moro a julgamento.

Foto: Marlene Bergamo/Folhapress