O uso de máscaras em locais públicos tem sido a alternativa mais viável para controlar a disseminação do novo coronavírus, após o isolamento social e a gradual flexibilização das atividades. Apesar de se observar que um número considerável de pessoas têm usado máscaras de materiais não descartáveis, há outra parcela que é vista usando máscaras descartáveis.

O problema é que a quantidade de máscaras que tem sido vistas jogadas nas ruas tem aumentado diariamente. Além de falta de educação, o ato é também uma irresponsabilidade, pois, caso a pessoa esteja contaminada, a máscara que ela descartou irregularmente passa a virar um foco de contaminação pública.

Segundo infectologistas, a exposição ao ar livre de um equipamento de Proteção Individual – EPI que está contaminado é uma fonte de contaminação direta, pois o maior risco é de que algum desavisado possa pegar o material para jogá-lo no lixo e isso pode contaminá-lo. É sabido que ainda não há o descarte biológico, como nos hospitais. Então, uma alternativa é deixar a máscara por 24 horas em água sanitária e só depois descarta-la. Também pode ser colocada num saco plástico muito bem fechado.

A Secretaria de Saúde de Capivari de Baixo faz um apelo à população para que não jogue máscaras nas ruas. “Não é possível pensar em saúde pública sem a participação e contribuição das pessoas. Se o momento é delicado para a população por causa da pandemia, para os gestores de saúde é ainda mais. Jogar máscaras nas ruas é uma atitude feia, irresponsável, que não pode ser tolerada. Sugiro que as pessoas conscientes, e que são a grande maioria no município, ao ver alguém jogando uma máscara na rua chamem a atenção e exijam que a pessoa recolha imediatamente o material”, diz a secretária de Saúde, Adriana Rufino.