Liliane Dias

Florianópolis

Nesta quarta-feira (18), o governo realizou uma nova coletiva para atualizar números e passar novas informações sobre o processo de quarentena, fiscalizações e também tranquilizar a população no que se refere a economia. De acordo com o governador Carlos Moisés da Silva (PSL), as medidas serão divulgadas em breve.

Sobre a economia, o governador adiantou alguns pontos como o crédito facilitado aos micro e pequenos empresários, possivelmente subsidiados pelo governo do estado para que não paguem juros. “Aderirmos ao simples, e devemos prorrogar o recolhimento dos tributos estaduais para facilitar credito, subsidiar juros, ampliar prazos para recolhimento”, detalha.

Questionado sobre a diferença de Santa Catarina e outros estados Moisés explica que de acordo com os estudos dos infectologistas, pelo estudo do passar do tempo, a partir da infecção comunitário pelo coronavírus, de 7 a 15 dias temos um grande pico. “A ação restritiva se deu na noite que soubemos dessa infecção, que iniciou no sul do estado, mas temos na capital e em outros locais também”, pontua.

Ele alerta que esta ação não poderia aguardar. “O perigo ainda invisível. O momento de agir é agora, se não agirmos agora vamos sofrer mais. Objeto é se antecipar a larga escala, para que se consiga manter e viabilizar o direito de resposta”, ressalta o governador.

O secretário de Saúde, Helton Zeferino, explica que objetivo é que Santa Catarina não sofra como muitos já sofreram no mundo. “Para isso é preciso evitar a circulação em áreas públicas, idas e vindas de formas repetidas. Não queremos de forma alguma inviabilizar a economia e nem interferir na vida das empresas, mas se não adotarmos de forma restritiva todos seremos afetados. Não existe lugar que o vírus não possa chegar se não contribuirmos. E ainda serão atingidos de forma mais rápida e mais intensa gerando maior dificuldade e queremos evitar”, reforça.

Recursos

Zeferino explica que o governo já liberou 14 milhões de reais, para alta e media complexidade, aplicado na rede hospitalar. Todas as unidades vão precisar de insumos e já foi feito pedido também. Ontem foram recebidos 480 quites de testes.

Quanto as viagens

Com relação aos turistas, as orientações estão sendo elaboradas de forma direcionada. O secretário-adjunto de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, Thiago Vieira, a intenção é fazer realocações de passagens assim que possível, mas é importante que todos tenham consciência de que precisam contribuir nesse momento. “Já se fez uma redução na demanda de passageiros em Floripa que está em 50%, amanhã espera-se chegar em 30% e acreditamos que não haverá mais aglomeração”, ressalta.

Sobre fiscalização

É importante que a população colabore inclusive em fazer denúncias. Os telefones que podem ser acionados são o 190 da Polícia Militar ou mesmo o 181 da Polícia Civil.