Os valores cobrados na tarifa da conta de luz da Celesc chamaram atenção em fevereiro. Dados sobre a situação foram levantados pelo Procon em diversas cidades. O Ministério Público está investigando a questão e deverá apresentar os resultados no próximos dias. No estado foram mais de 2 mil casos. Após a investigação ser concluída, a Celesc terá 60 dias para se manifestar.

“Os relatos nos chamam muita atenção. Em Criciúma, assim como Joinville, tem apresentado um número muito elevado de reclamações. Nesse momento a gente prefere ter cautela, a Celesc tem a versão dela. Temos que esperar essas perícias técnicas, para verificar os caminhos a serem tomados”, explicou o promotor do Ministério Público, Eduardo Paladino.

Em Santa Catarina são mais de 3 milhões de unidades consumidoras atendidas, assim as análises estão sendo feitas por amostragem. “Assim que tiver o primeiro relato de uma inconformidade, nós vamos entrar com uma ação civil pública, para pedir que seja suspenso qualquer tipo de pagamento. Pelos relatos não nos pareceu adequado esse tipo de ação agora”, afirmou o promotor.