Santa Catarina registrou uma morte por meningite em Lages, na Serra, informou a Diretoria de Vigilância Epidemiológica do estado (Dive-SC) nesta segunda-feira (8). A vítima é uma jovem de 18 anos que morreu na sexta (5).

Segundo a Dive-SC, a doença foi causada pela bactéria Neisseria meningitidis. A vítima era estudantes. A bactéria causadora da doença foi identificada pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

A Dive-SC também informou que todas as pessoas que tiveram um contato mais próximo com a vítima tomaram um antibiótico para evitar que desenvolvam a doença.

A meningite meningocóccica precisa ter diagnóstico precoce e início rápido do tratamento. Conforme a diretoria, a transmissão ocorrer pelas vias respiratórias e por gotículas e secreções do paciente.

Pessoas que morem na mesma casa ou tenham contato direto com as secreções respiratórias do paciente têm risco de contrair a bactéria.

Esta é a primeira morte de 2019 no estado de pessoa com meningite causada por esse micro-organismo. Em 2018, foram 16, conforme a Dive-SC

Segundo a Dive-SC, os principais sintomas da meningite são:

– febre alta que começa abruptamente;

– dor de cabeça intensa e contínua;

– vômito e náuseas;

– rigidez de nuca;

– manchas vermelhas ou arroxeadas na pele ou mesmo hematomas;

– em crianças menores de 1 ano: moleira tensa ou elevada, irritabilidade, inquietação, choro agudo e persistente e rigidez corporal, com ou sem convulsões.

As principais medidas de prevenção da meningite são:

– manter ambientes bem ventilados e, se possível, ensolarados;

– lavar as mãos frequentemente com água e sabão;

– manter higiene de pratos, talheres, mamadeiras e chupetas;

– evitar aglomerações;

– estar com as vacinações em dia.