Com a confirmação do 1º caso do coronavírus no Brasil os médicos elevaram o nível de atenção à infecção causada pelo vírus. E a preocupação dos médicos agora é não deixar o vírus propagar no país, porém, a realidade do sistema de saúde não será uma barreira para a infecção.

De acordo com o médico Nixon Batista, que atua em emergência hospitalar há 11 anos, e entende quais são as maiores deficiências nos atendimentos e diz que “a linha de frente” como médicos, enfermeiros e técnicos são os mais vulneráveis, seriam os primeiros a morrer pela falta de logística no atendimento em emergências: “Todo mundo ficará concentrado em um local só com o vírus se espalhando rapidamente”.

Nixon trabalha na emergência de um hospital da região de Tubarão e diz que a cultura do brasileiro  de procurar as emergências no Brasil também é preocupante, principalmente em momentos de risco de uma pandemia como a do coronavírus com alto poder de disseminação.

Nixon torce para que o vírus não chegue a Santa Catarina porque na opinião dele a propagação seria inevitável. “60 pacientes atendidos hoje pela manhã em 6 horas, a maioria casos não urgentes. Vamos imaginar que um paciente esteja com sintomas respiratórios e está contaminado com o Coronavírus, para onde esse paciente vai? Só hoje de manhã esse paciente teria contaminado facilmente no mínimo 60 pessoas. Isso é a nossa realidade em todo o Brasil, escreveu em uma publicação no Facebook.

Carnaval

Nixon não descarta a possibilidade de o vírus já estar no país antes de o brasileiro voltar da Itália. “Vieram muitos turistas de países com alto índice de contaminação, podem ter o vírus e não apresentar sintomas. O mesmo pode acontecer com brasileiros que viajaram para o exterior. Daqui alguns dias podem começar a aparecer os sintomas, espero que não”.

Nixon também fez um vídeo no Facebook falando sobre a preocupação do coronavírus no Brasil. Clique aqui para assistir.