#ParaTodosVerem Na foto, equipes médicas colocam um paciente dentro do helicóptero utilizado para o Serviço de Atendimento e Resgate Aeromédico do Sul (SaraSul)
Desde a sua implantação, em 21 de dezembro de 2020, as equipes do SaraSul já salvaram centenas de vidas - Foto: SaraSul | Divulgação

Serão abertos no começo da tarde desta sexta-feira (19), às 14 horas, os envelopes com as propostas das três organizações sociais convidadas para gerir um contrato emergencial de seis meses para administrar o Serviço de Atendimento e Resgate Aeromédico do Sul (SaraSul). O vencedor será aquele que apresentar a proposta de menor valor. Atualmente, a manutenção do serviço tem um custo total de R$ 96.233,86 por mês. “A homologação ocorrerá logo em seguida e a empresa que vencer a concorrência, feita por carta-convite, assume o Sarasul imediatamente”, antecipa o presidente do CIM-AMREC e prefeito de Cocal do Sul, Fernando de Fáveri.

As três organizações sociais concorrentes são os institutos Ideas, Harmony e HeinRich. Paralelamente, o CIM-Amrec lançará uma nova licitação para buscar uma gestora definitiva para o SaraSul. O edital já está em processo de execução e deverá ser lançado ainda neste semestre. Por segurança, o contrato emergencial prevê a extensão do período administrativo por mais seis meses. Desta forma, se ocorrer algum tipo de problema no decorrer do certame, os serviços continuarão a ser prestados.“Ao mesmo tempo, vamos buscar judicialmente o reembolso dos valores que foram repassados para a OZZ Saúde para efetuar os pagamentos atrasados dos funcionários”, acrescenta Fernando.

Na última quinta-feira (12), a OZZ Saúde, que esteve a frente do Samu até 31 de dezembro de 2021 e também saiu da administração do serviço deixando os profissionais sem receber, encaminhou um ofício para o CIM-Amrec pedindo o rompimento do contrato de gestão do Sarasul. Mesmo recebendo os repasses do CIM-Amrec, a empresa deixou de pagar as equipes médicas há cerca de dois meses. Atualmente, apenas as 12 cidades da Associação dos Municípios da Região Carbonífera contribuem financeiramente para a manutenção do serviço, que atende todo o sul catarinense. No dia 24 de fevereiro deste ano, o presidente da Amurel e gestor de Pedras Grandes, Agnaldo Filippi, recebeu a solicitação para que as 18 cidades da região também passem a contribuir com a manutenção do SaraSul. O mesmo convite de participação foi levado para a Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (Amesc), que agrega outras 15 cidades. 

Praticamente três meses após a solicitação, nenhuma das duas entidades emitiu um parecer oficial sobre o tema. Implantado em 21 de dezembro de 2020 em Criciúma, o SaraSul já salvou centenas de vidas em toda a região Sul de Santa Catarina, composta por 45 cidades. A aeronave utilizada é do Serviço Aeropolicial (Saer) da Polícia Civil. Além dos agentes, uma equipe completa de profissionais de saúde tripula o helicóptero que presta apoio policiar-me também em saúde para o Corpo de Bombeiros Militar, Bombeiros Voluntários e Comunitários, Samu, hospitais, clínicas, SC Transplantes, Guardas Municipais e a qualquer outra instituição que acione o serviço e tenha uma ocorrência onde a vida de uma ser humano dependa da agilidade do helicóptero para sobreviver.

Fonte: Associação dos Municípios da Região Carbonífera

Edição: Zahyra Mattar | Notisul

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul