A temporada de pesca artesanal da tainha vai começar este ano 15 dias mais cedo em Santa Catarina. Para quem pesca na praia ou com barco sem motor, a temporada começa nesta segunda-feira. Quem trabalha com barco com motor com rede de anilha poderá pescar a partir de 15 de maio.

Nesta categoria com barcos de pequeno motor, a maior concentração destes pescadores, está na região do Farol de Santa Marta, com 30 barcos, envolvendo 600 profissionais.

Este período, antes da liberação da pesca industrial, dá esperanças aos pescadores de pequenas redes, tarrafas e menores embarcações capturarem o peixe. Porém, a liberação das licenças ambientais está sendo questionada pela indústria pesqueira.

O engenheiro de Pesca, Patrick de Souza, que atua na Fundação Lagunense do Meio Ambiente, explica a importância da alteração. “Os nossos pescadores terão maior prazo para capturar o peixe, antes dos barcos pesqueiros, que aprendem a tainha e elas acabam nem chegando até o nosso litoral”, explica.

Em Santa Catarina, a captura industrial só pode ocorrer a partir de 5 milhas da costa. A artesanal ocupa desde a praia até três milhas mar adentro. As limitações foram impostas, após um acordo com o Ministério Público Federal, numa tentativa de proteger a espécie.

A pesca da tainha é concentrada nos municípios de Florianópolis, Palhoça, Laguna, Garopaba, Imbituba e Passos de Torres. Em 2016, o Estado teve a maior safra das últimas três décadas, com a captura de 3.500 toneladas do pescado. Por outro lado, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o governo busca alternativas para enfrentar uma redução de cardumes juvenis da espécie.

Para uma boa temporada de tainha é essencial que ocorram duas situações climáticas: frio e vento sul. Os cardumes partem da Lagoa dos Patos (RS) e sobem o litoral atrás de águas mais quentes.

Foto: Marco Bocão/Divulgação/Portal Notisul