Rio de Janeiro

O atacante Ronaldo, do Milan, envolveu-se em polêmica na madrugada de ontem. Após ter ido a uma boate no Rio de Janeiro, o craque terminou a noitada na 16ª Delegacia de Polícia (Barra da Tijuca), depois de uma confusão com o travesti André Luis Ribeiro Albertino, conhecido como Andréia Albertine.

O travesti acusou Ronaldo de envolvimento com drogas e publicou um vídeo no “youtube” para comprovar a identidade do jogador. No vídeo, é possível ver o atacante, vestindo a camisa do Flamengo, e ouvir a voz de André dizendo “para provar que é você”.

Albertino deu entrevista na frente do motel onde ocorreu a confusão, dizendo que outros dois travestis teriam participado da noitada. André
Em entrevista coletiva na tarde de ontem, o delegado Carlos Augusto Nogueira, titular da 16ª DP, contou a versão que Ronaldo deu em seu depoimento, de manhã. Segundo a polícia, o Fenômeno diz ter sido vítima de tentativa de extorsão.

Ronaldo contratou o travesti pensando ser garota de programa e levou para um motel na Barra da Tijuca. Lá, teria pedido mais duas mulheres para o programa. Quando descobriu que eram travestis, e que um deles teria ido buscar drogas na favela Cidade de Deus, o atacante teria decidido não mais fazer o programa e deu R$ 1 mil para dois deles.

O outro, que seria André Albertino, não quis e pediu R$ 50 mil para não contar a história para imprensa.
Ronaldo teria ficado revoltado com a tentativa de extorsão e, após um escândalo do travesti na porta do motel, a polícia foi chamada. O delegado diz acreditar mais na versão do jogador.

Sobre a denúncia dos travestis de que existiria droga no quarto do motel, a polícia informou que não foi encontrado nenhum tipo de entorpecente. Segundo o delegado, Ronaldo garantiu que não se drogou. Será instaurado inquérito baseado em ameaça de lesão corporal (Ronaldo teria ameaçado agredir os travestis, o que acabou não acontecendo) e ameaça de extorsão.