Amanda Menger
Tubarão

Afluente do Rio Tubarão, o Rio da Madre, no bairro de mesmo nome, em Tubarão, é importante para o escoamento das águas, principalmente em períodos de chuvas intensas. Exatamente por isso a ‘saúde’ do rio é uma forma de evitar as enchentes. Contudo, a conservação das margens demanda tempo e recursos. Preocupado com a situação, o aposentado Leonildo da Silva fotografou, durante dois meses, diversas irregularidades.

“O rio está bastante poluído. Há diversas casas construídas nas margens, em Áreas de Preservação Permanente (APP). Além disso, as bombas que puxam a água do Rio Tubarão estão estragadas. Muitas pessoas, para facilitar o trânsito, construíram pontes de madeira para ligar as duas margens. Eu contei mais de 16 pontes irregularidades”, relata Leonildo.

As fotos feitas pelo aposentado foram apresentadas também ao Ministério Público Federal (MPF), à câmara de vereadores, à Cidasc, à Capitania dos Portos de Laguna e também ao chefe de gabinete do vice-prefeito de Tubarão, Gustavo Salvador. “Já participei inclusive de algumas reuniões, até com produtores de arroz, já que muitos utilizam a água do rio para encher as granjas. Até agora, não foi feito nada”, lamenta Leonildo.

O secretário de agricultura da prefeitura, José De Pieiri, o Zezinho, também teve acesso às fotografias. “Já conhecemos os problemas lá da Madre. Mas é preciso dinheiro para resolvê-los. Esperamos que os recursos federais para a drenagem também possam ser usados para isso. O vice-prefeito Felippe Luiz Collaço (PP) tenta, junto ao secretário nacional de saneamento básico, Leodegar Tiscoski, mais verbas, para contemplar também a margem direita, e com isso a região da Madre”, explica o secretário.