Em fevereiro deste ano, as forças armadas uniram-se às autoridades municipais para um mutirão de combate ao mosquito.Em Laguna, a mão amiga foi de homens da Marinha - Foto:Marco Aurélio da Silva Souza/Secretaria de Saúde de Laguna/Decom/Divulgação/Notisul
Em fevereiro deste ano, as forças armadas uniram-se às autoridades municipais para um mutirão de combate ao mosquito.Em Laguna, a mão amiga foi de homens da Marinha - Foto:Marco Aurélio da Silva Souza/Secretaria de Saúde de Laguna/Decom/Divulgação/Notisul

Tubarão

Dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde revelam que 855 cidades brasileiras estão em situação de alerta ou de risco de surto de dengue, chikungunya e zika. O número representa 37,4% dos municípios pesquisados pela pasta no Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), que é o mosquito transmissor das três doenças.

Das 22 capitais que participaram do estudo, Cuiabá está em situação de risco e outras nove em situação alerta: Aracaju, Salvador, Rio Branco, Belém, Boa Vista, Vitória, Goiânia, Recife e Manaus. Outras 12 aparecem como em situação satisfatória: São Luis, Palmas, Fortaleza, João Pessoa, Teresina, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Macapá, Florianópolis, Campo Grande e Brasília.

O Ministério não recebeu informações sobre as capitais Maceió, Porto Velho e Curitiba. Já Natal e Porto Alegre utilizam outra metodologia para medição de focos do mosquito.

Depósitos de água como tonéis, tambores e caixas d’água foram os principais tipos de criadouro do mosquito registrados nas regiões Nordeste e Sul. No Sudeste, predominou o o depósito domiciliar, categoria em que se enquadram vasos de plantas, garrafas, piscinas e calhas. No Norte e Centro-Oeste, a maioria dos focos foi encontrada no lixo.

O levantamento aponta 251.051 casos suspeitos de febre chikungunya identificados no país este ano, 134.910 confirmados. No mesmo período de 2015, o total foi de 26.763 casos suspeitos e 8.528 confirmados.

Ao todo, 138 mortes pela doença foram registradas nos seguintes Estados: Pernambuco (54), Paraíba (31), Rio Grande do Norte (19), Ceará (14), Bahia (5), Rio de Janeiro (5), Maranhão (5), Alagoas (2), Piauí (1), Amapá (1) e Distrito Federal (1).
Atualmente, 2.281 municípios brasileiros já registraram casos de infecção pelo vírus Chikungunya.

Incidência de Zika
Em relação ao vírus Zika, foram identificados 208.867 casos prováveis no país até o último dia 22 de outubro. O número representa uma taxa de incidência de 102,2 casos para cada 100 mil habitantes. Foram confirmadas ainda três mortes pela doença este ano, além de 16.696 casos prováveis de infecção entre gestantes.

O Sudeste tem a maior parte de casos prováveis (83.884), seguido pelo Nordeste (75.762), Centro-Oeste (30.969), Norte (12.200) e Sul (1.052). Considerando a proporção por habitantes, o Centro-Oeste encabeça a lista, com 200,5 casos para cada 100 mil habitantes. Em seguida estão Nordeste (133,9), Sudeste (97), Norte (69,8) e Sul (3,6).

A transmissão autóctone (originária no Brasil) foi confirmada em abril do ano passado e as notificações de casos ao Ministério da Saúde tornaram-se obrigatórias em fevereiro de 2016, por isso não há comparações com anos anteriores.