Reforma emergencial do Gallotti visa reforçar pontos críticos na estrutura, na parte elétrica e hidráulica.
Reforma emergencial do Gallotti visa reforçar pontos críticos na estrutura, na parte elétrica e hidráulica.

Zahyra Mattar
Tubarão

A meta é iniciar as obras da reforma emergencial do colégio Senador Francisco Benjamin Gallotti, no bairro Oficinas, em Tubarão, no próximo dia 13. E, se tudo correr como o esperado na licitação, é bem possível que o prazo seja cumprido.

Ontem, foram entregues as propostas das cinco empresas, todas de Tubarão, que participam da concorrência pública. Ao todo, 32 empresas de todo o estado vistoriaram a instituição. Agora, a comissão de licitação tem cinco dias úteis para analisar a documentação e homologar as participantes.

Com isso, serão abertos os envelopes referentes à proposta financeira. A obra está orçada em R$ 750 mil. Após isso, há um prazo legal de mais cinco dias úteis para possíveis contestações por parte das pleiteantes.

Se não houver manifesto, a ordem de serviço será assinada e a obra começa. “A situação do Gallotti é extremamente preocupante. O reboco cai das paredes. A fiação elétrica coloca a vida dos alunos e professores em risco. Não é a obra que a escola merece, mas não estamos preocupados com a estética, mas sim com a segurança”, pondera o secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Haroldo Silva (PSDB), o Dura.

O terceiro piso do prédio está interditado pelo Corpo de Bombeiros desde o ano passado. O Gallotti atende aproximadamente 400 alunos dos ensinos fundamental e médio. A reforma contempla reformulação da estrutura hidráulica e elétrica, pintura, troca de piso e janelas, entre outras melhorias.