*Thaise Américo Vieira
Lauro Müller

Os 64 anos de Albertino Luciano preservam muitas histórias e lembranças. Ele se recorda de muitos detalhes do passado e um caso em especial, nutre o sentimento de esperança. Natural de Lauro Müller, Albertino quer reencontrar os irmãos adotivos que ele não vê há mais de 50 anos, após mudar-se para Itajaí, onde vive até hoje.

Albertino foi criado por Ercílio Moreira, que na época tinha um bar próximo à Charqueada na Rocinha, em Lauro Müller. “Saí da cidade aos 13 anos e tenho cinco irmãos adotivos, Luiz, Lourival, Valtinei e as gêmeas Maria Aparecida e Maria Dolores”, detalha.

O idoso informa, ainda, que os Madeiras foram os responsáveis por essa adoção. “Esta família conversou com a minha mãe para que Ercílio Moreira e a dona Tereza me adotassem, pois eles haviam perdido um filho e, assim, minha mãe fez”, pontua.

Nos primeiros anos, após mudar-se para Itajaí, Albertino conta que mantinha contato com os familiares, quando ia visitá-los. Porém, com o passar do tempo, recebeu a informação de que eles se mudaram e até hoje não sabe o paradeiro dos irmãos. “Alguns disseram que eles estavam morando em Urussanga, outros em Criciúma, mas não se sabe ao certo. Se soubesse onde estão vou atrás, estou com saudades, principalmente das gêmeas”, relata.
*Especial para o Notisul.

Como colaborar
Quem souber o paradeiro dos irmãos de Albertino pode entrar em contato por meio dos telefones
(47) 999921542 ou (47) 3083-1150.