Rede de drenagem estourou e túneis começaram a abrir-se no subsolo da rua Pedro Gomes de Carvalho.
Rede de drenagem estourou e túneis começaram a abrir-se no subsolo da rua Pedro Gomes de Carvalho.

Tubarão

Um buraco que se abriu na rua Pedro Gomes de Carvalho, no bairro Oficinas, em Tubarão, revelou um problema ainda maior que se escondia por baixo dos paralelepípedos. Em diversos pontos, a tubulação de drenagem, enterrada a quase três metros de profundidade, quebrou-se. Com isso, o esgoto e a água da chuva cavaram verdadeiros túneis no subsolo.

Ao longo da rua, é possível notar vários pontos onde o calçamento afundou. O problema foi descoberto esta semana e o trabalho de recuperação iniciou nesta sexta-feira, em uma extensão de aproximadamente 100 metros.

“Será necessário desenterrar toda a tubulação, retirar o material estragado, substituí-lo e recompor o aterro. Um trabalho difícil e demorado”, lamenta o secretário de desenvolvimento urbano da prefeitura, Nilton de Campos. Assim que esta parte do serviço terminar, será feita a recuperação do calçamento.

Recuperação de ruas
Nesta semana, equipes da prefeitura de Tubarão também trabalharam para melhorar as condições da rua Arno Damian (foto), no loteamento Panorama, no bairro Monte Castelo. Os trechos mais críticos foram aterrados com pedriscos e terra, como paliativo aos problemas de drenagem existentes no local.
“A rua está no mesmo nível da vala que corre paralelo à via. Além disso, o terreno é pantanoso, o que dificulta ainda mais a drenagem. Este é um problema que deveria ter sido resolvido pelo loteador”, explica o secretário de desenvolvimento urbano, Nilton de Campos.

Ponte do Caruru
Em 30 dias, uma das pontes da estrada geral do Caruru, em Tubarão, destruída pela enxurrada do fim do último mês, estará recuperada. As obras iniciaram esta semana. O investimento ultrapassa a casa dos R$ 60 mil. A força das águas arrancou das cabeceiras da ponte. Uma cratera de quase dez metros de largura foi aberta. “Em vez de apenas aterrar a cabeceira, decidimos alongar a ponte em mais seis metros de comprimento para dar maior vazão ao córrego”, explica o secretário de desenvolvimento urbano, Nilton de Campos. Uma passagem provisória foi feita ao lado da ponte para pedestres e ciclistas.