Parcialmente destruído por um vendaval em janeiro de 2009, o ginásio municipal Otto Feuerschuette, no bairro Aeroporto, em Tubarão, está desativado desde então. Um projeto para reconstruí-lo foi apresentado em abril do ano passado.
Parcialmente destruído por um vendaval em janeiro de 2009, o ginásio municipal Otto Feuerschuette, no bairro Aeroporto, em Tubarão, está desativado desde então. Um projeto para reconstruí-lo foi apresentado em abril do ano passado.

 

Zahyra Mattar
Tubarão
 
A ida do prefeito de Tubarão, Manoel Bertoncini (PSDB), e do assessor de assuntos interinstitucionais, Felipe Felisbino, ontem, a Florianópolis, era para um encontro com o governador Raimundo Colombo (DEM). Na pauta: a destruição causada pelas chuvas. 
 
Como o governador viajou ao norte catarinense, para vistoriar as cidades que decretaram estado de calamidade pública em virtude dos temporais, Bertoncini aproveitou para ir ao Banco de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (Badesc).
 
Levou o pedido de R$ 10 milhões para o desenvolvimento de três obras: a reforma e ampliação do Ginásio Otto Feuerschuette e as construções da ponte da Guarda e da passarela em frente da Unisul.
 
Do total do financiamento buscado, R$ 5 milhões serão destinados à construção da ponte que ligará as duas comunidades da Guarda. Outro R$ 1,5 milhão será empregado na estrada de acesso que levará à passagem. 
 
A passarela, orçada em R$ 2 milhões, será edificada ao lado da ponte pênsil, em frente à Unisul. Já para o projeto do ginásio Otto, a prefeitura busca mais R$ 1,5 milhão.
 
Não há ainda uma previsão de quando o governo de Tubarão receberá um aval, positivo ou de recusa, em relação ao pleito. Todas as obras preveem contrapartidas da prefeitura.
 
Centro administrativo
A construção da nova sede da prefeitura de Tubarão também faz parte dos planos do prefeito Manoel Bertoncini. A obra será executada na parte pertencente à prefeitura do antigo Aeroporto Anita Garibaldi.
Hoje, o assessor especial para assuntos interinstitucionais, Felipe Felisbino, segue para Brasília, onde verificará recursos que o município pleiteia em várias esferas do governo federal.
Não é confirmado, mas é possível que o pedido de verba para o centro administrativo também seja protocolado. A autorização para contrair o financiamento foi aprovado em julho do ano passada pela câmara. 
Serão buscados R$ 4,75 milhões junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), através do Programa Nacional de Apoio ao Fisco Municipal, gerenciado pelo Ministério da Fazenda.
A contra partida da prefeitura será de R$ 527,77 mil. Do total buscado, R$ 2 milhões serão destinados à construção do centro administrativo.
O restante será direcionado à aquisição de softwares, qualificação, consultoria e treinamento dos funcionários que irão trabalhar no local, além de informatização e cadastro georreferenciado municipal.
A ideia é realizar um projeto modular para uma possível ampliação conforme as necessidades do executivo no futuro. Em princípio, o espaço abrigará as secretarias hoje sediadas em prédios locados pela prefeitura.