A SC-438, entre Tubarão a Gravatal, apresenta problemas desde o ano passado. A licitação para recuperar o asfalto foi lançada no dia 14 de outubro e o resultado homologado no dia 9 de novembro de 2010.
A SC-438, entre Tubarão a Gravatal, apresenta problemas desde o ano passado. A licitação para recuperar o asfalto foi lançada no dia 14 de outubro e o resultado homologado no dia 9 de novembro de 2010.

Tubarão

O levantamento sobre a exata condição das rodovias catarineses está pronto. O presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), Paulo Meller, anunciou ontem que serão necessários R$ 60 milhões para recuperar a malha viária danificada pelas fortes chuvas.
Atualmente, dos 6,3 mil quilômetros de rodovias estaduais, 4,7 mil são pavimentadas. O restante é de chão batido. Do valor necessário, Meller antecipou que R$ 10 milhões deverão vir do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit). O restante será bancado pelo governo do estado e pelo Ministério de Integração Nacional.

Meller não falou em prazos, também não discriminou quando os trabalhos iniciam e qual a ordem das obras. O levantamento apontou quais as prioridades. Na região, é considerada precária a Serra do Corvo Branco (SC-439), entre Grão-Pará a Urubici.
Entre as estradas asfaltadas classificadas “com problemas” figuram duas da Amurel: a SC-438, entre Gravatal a Tubarão, e a SC-439, entre Braço do Norte a Grão-Pará.

Outras seis estradas, em diferentes regiões catarinenses, também estão neste ‘pacote’.
Até agora, R$ 6 milhões já foram gastos apenas para restabelecer o tráfego em algumas rodovias estaduais. Caso de um trecho da SC-439, na Serra do Corvo Branco, cujas obras emergenciais são finalizadas esta semana por uma empresa contratada pelo estado.

9
rodovias estaduais estão com tráfego em meia pista há cerca de dois meses. Em uma delas, na Serra do Corisco (SC-302), no oeste catarinense, a passagem está interditada.