O deputado estadual José Nei Ascari participou da festa da vitória com Marcinho em Grão-Pará. - Foto: Kalil de Oliveira/Notisul
O deputado estadual José Nei Ascari participou da festa da vitória com Marcinho em Grão-Pará. - Foto: Kalil de Oliveira/Notisul

Grão-Pará

Detentor de apenas uma prefeitura conquistada em 2012, o Partido Social Democrático (PSD) deu um salto com o resultado das urnas ontem. Além de Braço do Norte –  cidade com maior número de eleitores no Vale -, conseguiu a maioria dos votos em Grão-Pará e Rio Fortuna.

O vencedor em Grão-Pará foi Marcio Borba Blasius), o Marcinho (PSD), ex-secretário de saúde do atual prefeito, Amilton Ascari, o Breca (PSD), e vereador por três mandatos. 

“Nós vamos administrar Grão-Pará não para um grupo de pessoas em particular, mas para todos os grão-paraenses. As minhas primeiras ações estarão voltadas para a saúde, estradas e lutar pelas casas populares para essa população, que eu sei que precisa muito disso”, analisa Marcinho, que destacou a participação ativa do deputado José Nei Ascari (PSD) durante a sua campanha.

Empatado na majoritária com o PSD, o PMDB manteve a prefeitura de São Ludgero, perdeu para o PT em Santa Rosa de Lima, mas voltou ao governo em Gravatal, com chapa pura, e em São Martinho. Em Armazém, tentava a eleição do prefeito em exercício Victor Boing (PMDB), que assumiu com a renúncia de Jaime Wensing (PSDB), mas ficou 518 votos atrás de Zé Arent (PP).

Uma das principais lideranças peemedebistas na região sul, o vice-governador Eduardo Pinho Moreira (PMDB) votou em Criciúma ontem e acompanhou o resultado das urnas na cidade Carbonífera.

No legislativo, o partido de Moreira fez 20 cadeiras no Vale Braço do Norte, quatro a menos que a atual composição. O segundo partido em representatividade, o PP, que tinha 17 vereadores, ficou com 14, e o PSD subiu de 15 para 16. 

Apesar de perder uma vaga de vereador em Braço do Norte, o PT também cresceu, já que manteve três vereadores e ainda chegou ao executivo em Santa Rosa de Lima, após quatro anos de administração do PMDB e oito do PP.

Um partido jovem
O PSD disputou a sua primeira eleição em 2012, na época com candidatos dissidentes principalmente do PSDB e do Democratas. É o partido do governador Raimundo Colombo, eleito pelo Democratas e que trocou de sigla. Com o resultado destas eleições municipais, Colombo ganha mais força para lançar-se candidato ao senado em 2018.