Tatiana Dornelles
Tubarão

O ‘sonho’ da pensionista Dalvaci Eufrásio de Souza, a dona Dalva, e de outros moradores será concretizado em breve. Tudo porque a rua em que mora, a João Piava, no centro (bem próximo aos trilhos – na verdade, rente) antes sem saída, agora será aberta.

Dalva é a mais antiga moradora da localidade e conta que desde pequena ouvia o seu pai falar que os trilhos eram ‘provisórios’ naquela localidade. “Nunca tiraram realmente. E isso é algo que desejamos. Mas somente a abertura da rua já é um sonho realizado, um prêmio. Moro há 70 anos aqui e, na época, a ferrovia cedia os terrenos aos funcionários. Era tudo um mato só”, relata Dalva.

Agora, os ferros que ‘trancavam’ a passagem de veículos pela rua, que dá acesso à avenida Marcolino Martins Cabral (perto do supermercado Althoff), foram retirados, desobstruindo a estrada. “Antes, as pessoas reclamavam que a rua não tinha saída e tinham que dar a volta e entrar pela Altamiro Guimarães. Agora, tiraram os ferros que trancavam e é mais fácil para os moradores. Além disso, a rua ficará um pouco mais larga”, conta a pensionista.

Os trabalhadores estão no local desde terça-feira e colocam proteção com tubos, perto dos trilhos. Em cima, possivelmente será colocado algum tipo de jardim, para deixar a rua mais bonita.
“Ficará como uma rua normal, o que antes era sem saída. Estamos muito felizes, pois era um desejo de todos os moradores. A estrada ficará até um pouco mais larga. Muita gente evitava passar por aqui”, acrescenta Dalva.

Como era
Na época em que Dalva era criança, a localidade era quase desabitada. “Era somente mato. Demorou alguns anos para ficar cheia de casas. Fomos os primeiros moradores a receber água e luz“, relata. Os trabalhos de abertura na rua começaram terça-feira e são realizados pela ferrovia.