Imbituba

Pela primeira vez no Brasil, pesquisadores usaram hidrofones para gravar os sons que as baleias usam para se comunicar debaixo da água, principalmente para registrar a comunicação entre as mães e filhotes. A experiência foi executada, no litoral catarinense, pelo Projeto Baleia Franca, que há 29 anos pesquisa e monitora os hábitos dos animais.

“Nesta época, fim da temporada reprodutiva, as franca começam a se preparar para a migração às áreas de alimentação próximas à Antártida, e a comunicação entre mães e filhotes é fundamental para a manutenção da proximidade entre eles uma vez que o filhote depende da mãe para sua sobrevivência até chegar ao destino”, explicou a bióloga e diretora do projeto, Karina Groch.

O estudo é uma parceria entre o Projeto Baleia Franca, a Universidade da Pensilvânia (EUA), universidades brasileiras (Ufsc e UFRN), além do Centro de Mamíferos Aquáticos/ICMBIO.
As baleias franca sofreram durante quatro séculos com a ação dos caçadores e quase foram extintas. Nos últimos anos, porém, esse quadro tem mudado graças ao projeto. Hoje há 670 baleias franca catalogadas no Brasil, o dobro do que havia há oito anos, e essa recuperação também pode ser observada em outras áreas.