Atividade atua com ações de fortalecimento de vínculos familiares, com o objetivo de retirar as pessoas das ruas e proporcionar uma nova vida a elas.

Jailson Vieira
Tubarão

São muitas as vezes que passamos por um grupo de pessoas dando de comer e beber a moradores de rua. Não é de hoje que a atitude divide opiniões. Até que ponto a colaboração com o próximo é benéfica? O ingrediente que faltava, talvez, não estava somente na cozinha. Pessoas interessadas em desenvolver essa ideia criaram o Projeto 3:16, que leva além do alimento uma nova perspectiva de vida, em Tubarão.

A iniciativa foi idealizada por dois jovens tubaronenses há cinco anos. Na época, João Guilherme Lopes Pacheco tinha 16 anos, atualmente ele está com 21 e é acadêmico de Direito na Unisul, e Jean Defreyn tinha 14 anos, e agora está com 19 e cursa Ciências da Computação na instituição com sede na Cidade Azul.

Conforme João Guilherme, o projeto começou tímido, e foi obtendo estrutura ao longo dos anos. “Precisamos depositar o amor no próximo. Não podemos rejeitá-los e nem excluí-los. Não olhamos a aparência e nem o cheiro que as pessoas possuem. Saímos todas as sextas-feiras levando alimento e agasalhos. Temos uma equipe que prepara a alimentação e a outra que distribui”, esclarece.

O estudante de Direito conta que no ano passado, o grupo encaminhou mais de dez moradores de rua para clínicas de recuperação. Em 2017, três pessoas são auxiliadas por estas clínicas que recebem o apoio do grupo 3:16, no qual se mantém por meio de entidades e pessoas que colaboram para que o projeto siga em frente.

Jovem conhece a realidade da Cracolândia, em São Paulo, que teve ação da prefeitura neste fim de semana
No ano passado, João Guilherme passou 20 dias na Cracolândia, em São Paulo, para entender algumas situações e como ajudar os mais necessitados de Tubarão, por meio de ações sociais. “As pessoas diziam que não deveria ir, por causa da minha segurança, mas não me arrependi. Soube de muitas histórias e de como ajudar o meu próximo por saber de várias experiências. Uma delas é que há alguns anos um rapaz chegou a ficar quatro dias em um bueiro para usar drogas.

Devido a pessoas do bem ele foi encontrado e levado a uma clínica e lá teve a sua recuperação. Hoje, cursa Direito e colabora em obras sociais”, detalha João.

Atualmente, o Projeto 3:16 conta com 25 voluntários e é mantido pela Igreja Assembleia de Deus Independente (ADI), com o apoio de empresários e comunidade geral. De acordo com João Guilherme, a iniciativa acolhe as crianças mais necessitadas da região e realiza ações de impacto nos bairros. “O projeto abraça a Casa Lara, aos domingos realizamos muitas brincadeiras com os pequenos, porque há a necessidade de trabalharmos com a garotada, até porque as crianças de hoje são o futuro de amanhã”, finaliza.

A sede fica em um galpão cedido pela ADI da Cidade Azul no bairro Oficinas. Para colaborar, as pessoas podem contatar João Guilherme pelo número (48) 99900-4804.