Com a taxa de desemprego próxima dos 12%, nada mais importante do que saber quais setores estarão contratando em 2020. A rede social LinkedIn divulgou um levantamento de 15 funções que podem gerar empregos formais para milhões de brasileiros. Na primeira posição aparece a profissão de gestor de redes sociais, seguido de engenheiro de cibersegurança e representante de vendas.

No ranking geral, as profissões ligadas aos setores de tecnologia da informação e internet dominam a lista, com 13 de 15 cargos relacionados à chegada da Indústria 4.0 no mercado de trabalho. A incorporação da digitalização à atividade industrial resultou nesse conceito, em referência à quarta revolução industrial, onde há integração e controle da produção, com base em sensores e equipamentos conectados em rede e na fusão do mundo real com o virtual. Essa fusão cria os chamados sistemas ciberfísicos e potencializa o emprego da inteligência artificial.

Para o professor da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em inovação, tecnologia e recursos Antônio Isidro da Silva Filho, é preciso que as escolas preparem os alunos o quanto antes para essa nova realidade do mercado de trabalho tecnológico. 

“O que nós precisamos é introduzir conteúdos tecnológicos no ensino da educação básica e médio. Não podemos permitir que nossas crianças e jovens não tenham inserção no domínio das tecnologias que estão surgindo. Ensinar rotinas básicas e tecnológicas de aprendizagem de máquinas, de programação, são habilidades que hoje se têm mais facilidade de aprender do que antigamente. Então, esse é um exemplo do que precisamos fazer”, explica.

O Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023, divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), reforça esse contexto. Profissões ligadas à tecnologia estão entre as que mais vão crescer nos próximos anos. O estudo também prevê que o Brasil terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação profissional e aperfeiçoamento até 2023. 

Motorista

Um dos destaques do levantamento do LinkedIn foi para a profissão de motorista. Três setores da economia devem demandá-los já no próximo ano, como o de empresas ligadas a internet e a serviços e facilidades ao cliente,  responsável por aplicativos de transporte de passageiros e de compras e entregas.